Casa grande e senzala – “Caixa “Econômica” de Cidadania”; por Plácido Faria

Na última terça feira, dia 19, no período da tarde, do alto da escada, do alto da arrogância e prepotência, e da pequenez do que há de mais baixo no ser humano, o gerente da Caixa econômica Federal, Ag. Relógio de São Pedro, comandava com ordens impositivas, uma pequena guarnição da Polícia Militar da Bahia – mandava como “Coroné” da Casa grande- ordenando que o cliente e comerciante, Crispim Terral, fosse algemado e levado à delegacia.

O gerente comunica aos prepostos policiais que não iria para a diligência na delegacia, salvo, se Terral fosse algemado. Nesta oportunidade, deixou evidente, patente, o dolo no seu comportamento delituoso, por crime de injúria racial ou racismo, a saber : pois ele não faz acordo com esse tipo de gente . Depois da fase investigatória, quem dirá os crimes cometidos pelo gerente e os policiais é a Promotoria de Justiça do Estado da Bahia, através um dos seus representantes.

A injúria racial está prevista no Artigo 140, parágrafo 3º, do Código Penal, injuriar seria ofender a dignidade ou o decoro utilizando elementos de raça, cor, etnia, religião, origem ou condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência. Em geral, o crime de injúria está associado ao uso de palavras depreciativas referentes à raça ou cor. Diferente da injúria racial, o crime de racismo, previsto na Lei 7.716/1989, implica conduta discriminatória dirigida a determinado grupo ou coletividade. A Lei enquadra uma série de situações como crime de racismo, por exemplo, recusar ou impedir acesso a estabelecimento comercial, impedir o acesso às entradas sociais em edifício público ou residencial e elevadores ou às escadas de acesso, negar ou obstar emprego em empresa privada, entre outros. A gravidade do crime de racismo é que ele é inafiançável e imprescritível, conforme determina o Artigo 5º da Constituição Federal.

Segundo Crispim, o gerente o deixou esperando 4 horas e 47 minutos para ser atendido. Após, o comerciante se dirigiu à mesa do Gerente geral, que ao invés de atende-lo, acionou a guarnição policial para retira-lo à força. O mesmo só estava reivindicando o direito de ser creditado dois cheques que haviam sido retirados indevidamente da sua conta individual. Ele insistia em receber um comprovante da operação antes de deixar a referida agência.

Quando a polícia militar chega ao local, a situação piora, os militares passaram a obedecer ordens do gerente da Caixa Econômica Federal – situação tragicômica – um dos agente de segurança pública, aplica, “com gosto de gás” um “mata-leão” no comerciante Crispim, de forma desnecessária e truculenta. Em momento algum, ficou demonstrada a necessidade da referida medida violenta e extrema, caracterizando um autêntico abuso de autoridade.

Vale registrar, que o fato aconteceu dia 19 próximo, oito dias se passaram e nenhuma das partes envolvidas apresentou uma versão para desqualificar a notícia criminal denunciada aos órgãos competentes e a sociedade brasileira. A polícia militar justifica o injustificável. A seguir, demonstraremos de forma direta e insofismável a conduta truculenta e criminosa de seus prepostos. A associação da qual faz parte o gerente fez a sua defesa de forma genérica, não apresentou os fatos e as circunstâncias. O gerente da Caixa que mandou algemar Crispim foi afastado, tendo a referida instituição bancária informado que vai realizar um treinamento especifico com toda sua rede de atendimento.

Em que pese a boa vontade da multicitada instituição bancária de mudar a conduta praticada pelo seu funcionário afastado é praticamente impossível. Não existe faculdade, treinamento, nem curso que melhore a formação moral e a insensibilidade à dor alheia demonstrado no seu proceder, o mesmo deixou manifestamente evidenciado que a sua função de gerente é incompatível com a sua vocação.

De outro giro, o argumento mais forte sobre a arbitrariedade praticada pelo gerente e policias, é que o senhor Crispim Terral tinha o direto de não acompanhar os agentes de segurança pública, visto que, o mesmo não estava praticando nenhum crime. Tanto é verdade, que levado à central de flagrantes, foi autuado indevidamente pelos crimes de desobediência e resistência. Ora … para que existisse desobediência e resistência a ordem emanada da polícia militar seria condição necessária e inafastável que o mesmo estivesse praticando um crime.

Neste tom, a humilhação impingida ao comerciante, filmada pela sua filha de 15 anos é um absurdo, podendo causar dano psicológico irreparável. Outro fato que chama atenção, noticiado pela imprensa, é que os policiais são do 18º batalhão da Polícia Militar, recebem treinamentos diferenciados, para agirem com lhaneza, porquanto devem ser afáveis no trato, pois são responsáveis pela parte do atendimento a turistas. Lamentável…

Plácido Faria
Advogado e comentarista político
placidofaria@yahoo.com.br

Ultimas Noticias

Pedidos de refúgio no Brasil podem ser feitos apenas pela internet

O Ministério da Justiça e Segurança Pública recebe, a partir deste domingo (15), exclusivamente pela internet todos os pedidos de refúgio no Brasil. Os...

Personagens de desenhos e vampiros são parte das fantasias sexuais de...

Uma pesquisa feita pelo psicólogo e sexólogo Justin Lehmiller com 4 mil americanos revelou que 25% deles têm fantasias sexuais com personagens de desenhos animados...

Pesquisadores demonstram beneficios do lítio para idosos com Alzheimer

Pesquisa desenvolvida no Brasil, em colaboração com cientistas estadunidenses, avança no entendimento dos efeitos benéficos do lítio para idosos com Alzheimer, doença que causa...

Vaso sanitário de ouro é roubado durante exposição

A polícia investiga o roubo de uma obra de arte exposta no Palácio Blenheim, em Oxfordshire, na Inglaterra, na madrugada do último sábado (14/09/2019). A peça...
Publicidade