Assassinato de Marielle Franco só será desvendado com a prisão do mandante, afirma Hilton

Membro da Comissão de Direitos Humanos e Segurança Pública da Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), o deputado Hilton Coelho (PSOL), afirmou que “depois de tanto atraso na apuração e a dois dias de se completar um ano finalmente deu-se a prisão, na manhã de hoje, 12, do sargento reformado da PM Ronnie Lessa e do ex-PM Elcio Vieira de Queiroz, acusados pelo Ministério Público do Rio de Janeiro como autores do assassinato de Marielle Franco, vereadora pelo PSOL do Rio, e Anderson Gomes. Sem dúvidas, um avanço, porém, não suficiente para responder: Quem mandou matar Marielle? Por que mandaram matar?”, questiona.

Ele lembra que durante o último ano exigimos das autoridades uma resposta definitiva que pudesse pôr fim à angústia da família, amigos e companheiros de partido de Marielle. “A identificação de dois dos assassinos só será plenamente esclarecido, repetimos, quando forem identificados e responsabilizados também os mandantes do assassinato de Marielle e Anderson e as motivações do crime. Os inimigos da democracia, dos direitos sociais, dos direitos das mulheres, dos negros e negras e de todos os oprimidos precisam ser punidos”.

A vereadora Marielle Franco, do PSOL do Rio de Janeiro, será lembrada no dia de seu assassinato, 14 de março, pela Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA). A sessão especial “Defensoras dos direitos humanos: Vivas por Marielle”, que ocorrerá às 9h30 no plenário da Casa, é uma ação conjunta do deputado Hilton Coelho (PSOL) e das Comissões de Direitos Humanos e dos Direitos da Mulher. Após a sessão haverá uma caminhada e ato político em frente ao Tribunal de Justiça da Bahia, no CAB.

Relacionados