Mulher e filhos do pastor morto não estariam colaborando, diz promotor

Na segunda-feira (24/06), a deputada federal Flordelis esteve na delegacia, por volta das 12h, para prestar novo depoimento como testemunha e passou mais de 6 horas na unidade policial. Outras 25 pessoas da casa da deputada – entre filhos, parentes e funcionários – também compareceram. A polícia e o MP não descartam a participação da parlamentar no crime, bem como a de outros filhos e parentes. Flordelis e o pastor tinham 55 filhos, entre biológicos e adotivos.

“Um homicídio aconteceu dentro de uma casa, então todas as pessoas que estavam dentro da casa devem ser cogitadas”, afirmou nesta segunda, em entrevista à radio CBN, o promotor Sergio Luiz Lopes Pereira, que acompanha o caso. Ele reclamou também que a família não estaria colaborando para o esclarecimento do crime.

“O que esperamos da família, especialmente da esposa, é uma maior colaboração com o MP e a polícia”, afirmou. “No dia do crime, ela foi até a delegacia e disse que estava com o celular do marido; até hoje esse celular não foi entregue. O celular do Flávio também não foi entregue.”

O promotor contou ainda que, no dia em que esteve na casa da deputada, havia uma grande fogueira no quintal, onde provas podem ter sido destruídas. O fato de a família não estar colaborando com a investigação foi também a alegação dada pelo advogado Angelo Máximo, contratado pela mãe e por uma irmã do pastor para acompanhar as investigações sobre a sua morte.

O advogado Anderson Rollemberg, um dos responsáveis pela defesa de Flávio dos Santos, suspeito de ter participado da morte do padrasto, Anderson do Carmo, na madrugada do dia 16, contestou a versão divulgada pela polícia e afirmou que o seu cliente não deu nenhum depoimento admitindo o crime.

“A autoridade diz que houve confissão, mas ele falou para mim que não confessou”, disse o advogado, que esteve nesta segunda-feira, 24, na Delegacia de Homicídios (DH) de Niterói e São Gonçalo, onde o crime está sendo investigado. “E, se existe uma confissão, já digo que ela não é idônea, não condiz com a verdade.”

Na última sexta-feira, a polícia informou que Flávio confessou ter disparado seis tiros contra o marido de sua mãe, a deputada Flordelis. O Ministério Público confirmou a confissão. Flávio está preso na carceragem da DH desde o dia seguinte ao crime. Um outro filho do casal, Lucas dos Santos, de 18 anos, teria ajudado o irmão a comprar a arma usada no crime por R$ 8 mil. Os advogados de Flávio e de Lucas informaram que vão pedir a transferência de ambos para um presídio. Os dois seguem presos na carceragem da DH e, segundo seus advogados, não tiveram acesso a produtos de higiene, não puderam tomar banho e estão se alimentando muito mal.

O pastor foi morto na madrugada do domingo retrasado após chegar em casa, em Pendotiba, com a mulher. Ele foi alvo de mais de 30 tiros, muitos deles na região genital. Câmeras de segurança da rua revelam que ninguém entrou nem saiu da casa. Segundo a polícia e o MP foi um crime de ódio, ligado a assuntos de família.

Ultimas Noticias

Colégio concede 15% de desconto para servidores estaduais

O Colégio Nossa Senhora da Luz, parceiro do Clube de Desconto, está com matrículas abertas para 2020. A instituição concede 15% de abatimento a...

Usuários do metrô são surpreendidos com presença do Papai Noel

Os usuários do metrô foram surpreendidos pela presença do Papai Noel na tarde desta segunda-feira (9). A ação faz parte do 'Vem pra Cá',...

Mundial de handebol: Seleção feminina termina na 17ª posição

A seleção brasileira feminina de handebol encerrou, nesta segunda (9), sua participação no Mundial da modalidade com uma vitória de 22 a 18 sobre...

Saúde sem Fronteiras chega à região de Itaberaba

Municípios de Ruy Barbosa e Utinga, região de Itaberaba, já estão atendendo às mulheres de 50 a 69 anos, dentro da estratégia Saúde sem...
Publicidade