ONG pede à África do Sul que legalize prostituição para combater HIV

A organização não governamental Human Rights Watch (HRW) recomenda à África do Sul que legalize a prostituição, considerando que o governo impede os esforços para acabar com a epidemia do HIV ao tratar o trabalho sexual como crime.

No relatório de 70 páginas “Porque o trabalho do sexo deve ser descriminalizado na África do Sul”, divulgado em Joanesburgo, a organização de defesa dos direitos humanos defende que as autoridades sul-africanas “deveriam descriminalizar a troca de sexo por dinheiro praticada consensualmente por adultos”, levando em conta o bem-estar e a segurança dos trabalhadores do sexo.

“Os profissionais do sexo na África do Sul enfrentam prisão, detenção, assédio e abuso da polícia, o que também os impede de denunciar violações ou outros ataques brutais de que são alvo”, afirma Liesl Gerntholtz, vice-diretora executiva do Human Rights Watch.

“Em todo o mundo, nós e outros grupos de direitos humanos encontramos os mesmos padrões de abuso onde o trabalho sexual é criminalizado”, afirma.

A venda de sexo é ilegal na África do Sul, lembra a organização internacional, acrescentando que a prática foi criminalizada em 2007 pelo Governo do Congresso Nacional Africano (ANC, sigla em inglês), no poder desde a queda do apartheid (regime de segregação racial que vigorou no país) em 1994.

A legislação sul-africana também proíbe a propriedade ou frequência a “bordéis”, obter rendimentos com a “prostituição” e persuadir uma mulher para a prática, diz a HRW.

Baseado em pesquisa realizada entre maio e junho de 2018 pela Human Rights Watch em quatro províncias da África do Sul, o levantamento mostra a forma como a criminalização do trabalho do sexo “alimenta violações dos direitos humanos contra profissionais do sexo, inclusive por agentes policiais, e impede o seu direito à saúde”.

“Os profissionais do sexo também relataram serem explorados sexualmente pela polícia e obrigados a pagar subornos aos agentes policiais”, afirma o HRW no relatório. O trabalho destaca ainda inconsistências profundas entre os diferentes órgãos do governo sul-africano na sua abordagem ao trabalho sexual.

A organização norte-americana fala dos esforços do Ministério da Saúde da África do Sul para apoiar as profissionais do sexo no acesso à saúde pública, enquanto o sistema de justiça criminal adota “abordagem punitiva”.

Entre as recomendações, a HRW apela ao Ministério da Justiça e Desenvolvimento Constitucional para que introduza uma nova lei que elimine sanções criminais e administrativas contra o trabalho sexual voluntário consensual de adultos e dê assistência aos direitos constitucionais dos profissionais do sexo, incluindo o direito ao trabalho de acordo com a legislação.

A África do Sul tem a maior incidência da epidemia de HIV no mundo – 19% da população mundial infectada com o HIV reside no país.

Ultimas Noticias

Roberto Carlos

Deputado Roberto Carlos solicita construção de um cemitério em Cajazeiras

O deputado Roberto Carlos (PDT), vice-líder do Governo na Assembleia Legislativa da Bahia, apresentou uma Indicação ao governador Rui Costa para que, através da...
prouni

ProUni: não matriculados têm até hoje para pedir bolsas remanescentes

O prazo para alunos não matriculados em uma instituição de ensino superior concorrerem a uma das bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (ProUni)...

Nego do Borel é pego em Lei Seca e tem CNH...

Nego do Borel, de 27 anos, foi parado em uma blitz da Lei Seca na madrugada do último sábado (17) na Barra da Tijuca,...

Atakadão Atakarejo abre inscrições para Programa de Trainee

O Atakadão Atakarejo está com inscrições abertas para o Programa de Trainee 2019. Atualmente, com 16 lojas em Feira de Santana, Salvador e Região...
Publicidade