Lázaro Ramos e Luedji Luna abrem Festival Literário Nacional com o projeto O Violão e A Palavra

Um bate-papo informal intercalado por música com o ator e escritor Lázaro Ramos e a cantora Luedji Luna abre o Festival Literário Nacional (Flin): Diversas Leituras & Novos Caminhos, realizado pelo Governo do Estado da Bahia. No dia 12 de novembro, às 10h, o Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras, recebe essas duas gerações de artistas, que não abrem mão de expressar um olhar crítico sobre o nosso tempo, para falar de suas trajetórias, processos criativos e inspirações.

Lázaro lembra que quando era adolescente, os eventos culturais de Salvador sempre transformavam seu olhar sobre a realidade. “Eu sou fruto disso. Quando eu vivia na Fazenda Garcia, os eventos culturais que aconteciam na cidade, onde eu podia interagir com outros temas que não estavam no meu dia-a-dia, e ter acesso a mais conhecimento, transformavam minha vida. Sei que será assim para Cajazeiras”.

O ator, apresentador, cineasta e escritor baiano, iniciou a carreira artística no Bando de Teatro Olodum, em Salvador, e ganhou visibilidade nacional ao participar de diversos programas de TV, novelas e peças de teatro. Já atuou em filmes nacionais, como Madame Satã (2002), O Homem que Copiava (2003) e Ó Paí, Ó (2007). Na literatura, se dedica a escrita infantil desde os anos 2000. Em 2017 lançou o livro Na Minha Pele, voltado ao público jovem e adulto, com quem compartilha reflexões e experiências pessoais, envolvendo questões raciais, gênero e família.

A cantora Luedji, que divide espaço com Lázaro, iniciou seus estudos em música na Escola Baiana de Canto Popular. Também é natural de Salvador e é co-fundadora do projeto Palavra Preta – mostra que reúne compositoras e poetisas pretas de todo o Brasil. Foi membro do Bando Cumatê, coletivo engajado na pesquisa, difusão e fomento das manifestações artísticas tradicionais da cultura brasileira.

O coordenador do Flin e diretor da Fundação Pedro Calmon (FPC/Secult), Zulu Araújo, conta que O Violão e a Palavra é um projeto da fundação que busca estimular o livro, a leitura e a escrita, por meio de ícones da música e da literatura. “Buscamos apresentar artistas importantes no cenário musical brasileiro, em diálogo com escritores para que, em particular, a juventude, perceba que ler e escrever é fundamental para a formação da cidadania”, afirma.

O projeto acontece desde 2016, quando foi lançado na Flica (Festa Literária Internacional de Cachoeira) e une a leitura, a memória e a música em um encontro cantado. Nesta edição, na Flin, tem a oportunidade de dar destaque a duas importantes expressões baianas: Luedji, através da música, e Lázaro, a partir da sua atuação em novelas, filmes e na literatura.

Confira a programação completa do Festival.

Ultimas Noticias

MP extingue multa adicional de 10% do FGTS que ia para...

O governo extinguiu a multa adicional de 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) de demissões sem justa causa. A decisão...

Não coma fruta parcialmente podre, alerta OMS

Na tentativa de evitar o desperdício alimentar, muitas pessoas optam por retirar a parte podre dos alimentos e consumir o resto. Porém, a Organização...

Bolsonaro sanciona com vetos Lei de Diretrizes Orçamentárias para 2020

O presidente Jair Bolsonaro sancionou com vetos a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2020. A LDO estabelece que o governo tem de apresentar,...

Em Mata Escura, traficantes desafiam: “Bota a cara, Rondesp”; um morre

Equipes da Rondesp Central trocaram tiros com um grupo de bandidos, na noite de segunda-feira (11/11), no bairro de Mata Escura, em Salvador.Os militares...
Publicidade