Brasil garante mais três atletas do taekwondo nos Jogos de Tóquio 2020

O Brasil garantiu três atletas na disputa olímpica do taekwondo. Na seletiva concluída na quinta-feira (12), na Costa Rica, Milena Titoneli (-67kg) e Ícaro Miguel (-80) se somaram a Edival Marques, o Netinho, que havia carimbado o passaporte na quarta.

Os atletas são integrantes da Bolsa Pódio, categoria mais alta do , programa da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. O investimento federal anual é de R$ 624 mil anuais. Na modalidade como um todo, o contempla 236 atletas olímpicos (130 homens e 106 ) e seis paralímpicos (quatro homens e duas ), num investimento federal anual estimado em R$ 4,7 milhões.

- publicidade -

Com os resultados do taekwondo, o Brasil soma agora 174 atletas garantidos nos Jogos Olímpicos de Tóquio, em 19 modalidades. Dessas 174 vagas, 43 recebem o , ou 91,5% do total. O investimento nesse grupo é de R$ 5,62 milhões em 12 meses.

Resultado

Para conquistar a vaga, Ícaro, que não tem a visão do olho direito, entrou direto nas quartas de final por ser o cabeça de chave número um da categoria -80kg (ele é o quarto colocado no ranking olímpico). Na estreia, contra Isiah Pollard, de Trinidad e Tobago, venceu por 22 x 6, com tranquilidade. Na semifinal, mais uma vitória sem sustos contra Miguel Ferrera, de Honduras, por 33 x 10. Com a disputa vale duas vagas, não há disputa da final.

“Vim para a competição com vontade de fazer história e acho que em Tóquio vem mais ainda. A gente já esperava um bom resultado, não só meu, mas de toda a equipe. Achei que a decisão ia ser mais dura, mas depois que acertei um primeiro a luta se desenvolveu bem e consegui ampliar o placar. Já liguei em casa e avisei que podem comprar a passagem para torcer para mim em Tóquio”, celebrou Ícaro Miguel.

Milena Titoneli também começou a caminhada rumo a Tóquio na segunda fase. Atual campeã dos Jogos Pan-Americanos, a atleta de São (SP) mostrou o porquê de estar entre as melhores do continente com uma vitória de 22 x 0 sobre a peruana Eliana Vasquez. Na luta decisiva, enfrentou a cubana Arlettys Acosta. Dominante na luta, a brasileira abriu 6 x 0 no início no terceiro round, mas Acosta conseguiu encostar no placar no último round, marcando três pontos. Nada que tirasse o controle de Milena. Ela derrotou a adversária por 7 x 5.

“Essa era a minha meta e estou feliz por estar classificada. Senti um pouco de nervosismo no início do dia, mas as coisas foram se encaixando e foi mais um passo na busca do meu sonho, que é ser campeã Olímpica. A sensação de vencer foi muito parecida com a medalha de bronze do Mundial e o ouro dos Jogos Pan-Americanos: é indescritível. Chegar a uma Olimpíada sempre foi o meu sonho”, disse Milena.

Valtteri Bottas vence GP da Áustria na abertura da Fórmula 1

A Fórmula 1 abriu a temporada de 2020 com uma vitória tranquila de Valtteri Bottas, da Mercedes, mas com muita emoção para o restante...

Clubes da Série C pedem novo socorro financeiro à CBF

Em carta enviada à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), as 20 agremiações que integram a Série C do Campeonato Brasileiro pedem um novo auxílio...

Projeto colaborativo quer destrinchar trajetória da esgrima no país

O falecimento do russo Gennady Miakotnykh, técnico de esgrima do Pinheiros e da seleção brasileira, foi determinante para dois atletas colocarem em prática uma...