“Mandenttando” e “bolsonarizando”, Aleluia pode ser próximo alvo do presidente

Ex-presidente estadual do Democratas e um dos políticos mais influentes da sigla, José Carlos Aleluia entrou na mira do presidente Jair Bolsonaro após a demissão de Luiz Henrique Mandetta, que comandava o Ministério da Saúde. O ex-deputado baiano é assessor da Pasta e amigo pessoal de Mandetta, que chegou a citá-lo na entrevista coletiva de despedida. Com isso, pode ser exonerado do cargo.

De acordo com a fonte do Informe Baiano, militares e “bolsominions” iniciaram uma investida contra políticos do DEM, inclusive Aleluia, com denúncias onde o objetivo é desgastá-los junto a opinião pública. Os ataques são observados atentamente pelo presidente e incluem um dossiê com atividades suspeitas.

Diante do cenário tenso, o vereador soteropolitano Alexandre Aleluia (DEM), fillho de José Carlos e amigo de Eduardo Bolsonaro, resolveu adotar a tática do silêncio. Porém, atua junto com o Eduardo para apagar o incêndio. Alexandre, principal aliado do presidente na Bahia e com grande influência nas redes sociais, foi dos responsáveis pela tentativa de criação do Aliança pelo Brasil. Ele não faz postagem nas redes sociais há seis dias. A última foi em 12 de abril quando desejou uma Féliz Páscoa.

Óleo de coco no cabelo? Fique a par dos benefícios

Não, por vezes não precisa de um produto inacessível para tratar do seu cabelo. Devido à sua capacidade de hidratar, nutrir e prevenir a perda de proteína,...

Prodetur Bahia conclui formação da rede de empreendedores da Baía de Todos-os-Santos

Uma live na noite desta quarta-feira (5) marcou o encerramento do Projeto Rede de Turismo da Baía de Todos-os-Santos (RBTS), que reúne mais de 200 empreendedores da...

Cursos de música do TCA abrem inscrições gratuitas para novas turmas em maio

No mês de maio, o Teatro Castro Alves (TCA) dá a largada de um novo ciclo dos cursos de iniciação ao universo da música sinfônica. O maior...

Com auxílio emergencial, poupança volta a captar recursos em abril

Após três meses de retiradas líquidas, a aplicação financeira mais tradicional dos brasileiros voltou a captar recursos. Em março, os brasileiros depositaram R$ 3,84 bilhões a mais...