Conselho Estadual de Educação da Bahia se posiciona pelo adiamento do Enem

O Conselho Estadual de Educação da Bahia (CEE-BA) divulgou, na terça-feira (12), nota pública em que se posiciona pelo adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). O documento aponta que os exames nacionais devem considerar a reorganização dos calendários escolares para a definição do cronograma de realização da prova, de modo que se assegure as mesmas oportunidades de participação para todos os estudantes, no contexto da pandemia da Covid-19.

O presidente do CEE-BA, Paulo Gabriel Nacif, falou sobre o posicionamento da instituição. “O Conselho não poderia deixar de manifestar a sua imensa preocupação sobre a decisão, até o momento, de não adiarem as provas do Enem. O exame é estratégico para a estrutura do sistema educacional de todos os estados como indicador de qualidade do Ensino Médio, de acesso ao Ensino Superior e de certificação para a EJA (Educação de Jovens e Adultos). Enfim, tem um enorme impacto em toda a educação brasileira. Então, não é possível que a gente não tenha, em uma situação de pandemia, o adiamento do Enem. Por isso, estamos procurando a sensibilidade do governo federal para este adiamento, que é algo totalmente razoável”, destacou.

Em trecho da nota, que é assinada pelo presidente Paulo Gabriel Nacif, o CEE-BA relata: “Na linha de tempo da sua história como exame de importância nacional, há que registrar seu papel de indutor de uma nova prática educativa na Educação Básica, bem como o de dinamizador para nova estrutura de acesso ao Ensino Superior, especialmente para as instituições públicas de Educação Superior. Com isso, é importante dizer que a suspensão das aulas tem efeito diferente nos grupos sociais que compõem a estrutura da sociedade”.

O documento ainda deixa claro que “a aplicação de atividades remotas por tecnologia para conexão digital mostra a face das assimetrias sociais, que traduzem barreiras de acesso. A escola, inseparável dessa realidade, tem mais chance de operar mais protocolos das tecnologias da informação e comunicação com a base técnica da banda larga fixa, portanto, nos estratos mais favorecidos e, em oposição, menos recursos das tecnologias da informação e comunicação nos estratos mais desfavorecidos. Eis que cai por terra os argumentos dos que apregoam que, em todo o país, os jovens acessam a internet de igual para igual”.

Últimas Noticias

Mercado financeiro aumenta previsão de inflação para este ano

Instituições financeiras consultadas semanalmente pelo Banco Central (BC) estimam, em boletim divulgado hoje (24), que o Índice de Preços...