Antecipação de feriados tem impacto direto na saúde financeira dos empresários

A medida decretada nessa sexta-feira (22/05) tem a intenção de aumentar o isolamento social mas é um golpe forte no caixa dos empresários. A opinião é compartilhada pela Estatística e Consultora empresarial Caroena Alves e pelo Contador e Auditor, Radamés Oliver, que ressaltam que empresas do comércio varejista, como supermercados, por exemplo, correspondem a mais de 85% do comércio brasileiro.

Radamés chama a atenção para o fato de que o decreto não restringe o funcionamento das atividades consideradas como comércio essencial: farmácias, mercados e padarias, mas que para estes funcionarem se faz necessário pagar um valor indenizatório a cada dia trabalhado. “Para os que estão autorizados a funcionar o desafio é desembolsar a despesa adicional de horas pagas em feriados, que custam o dobro do comum, o que encarecerá sua folha de pagamento em 25%. A MP927/2020 trás a possibilidade da criação de banco de horas conforme acerto entre empregador e empregado, no entanto essa repentina notícia pega todos de surpresa e vai ser preciso muito jogo de cintura para o empresário negociar com os seus funcionários”, ressalta.

Para a estatística e consultora empresarial, Caroena Alves, existem dois pontos a serem considerados: O comportamento do consumidor e o custo de abertura da empresa. Ela alerta que se as pessoas estarão em casa por vários dias seguidos, a tendência é de aumento do consumo de alimentos, lanches e refeições especiais e também do consumo de itens de entretenimento, como filmes online e bebidas alcoólicas.

“Se por um lado, aumenta o consumo de serviços delivery e de pessoas nos supermercados, por outro aumenta a conta dos valores trabalhistas a serem pagos. Os empresários devem avaliar a questão, realizando uma estimativa de vendas e do efetivo necessário para garantir o bom atendimento, com base nesta análise ele decide se abrirá ou não”, explica Caroena.

Tanto Caroena quanto Radamés concordam que a conta fica ainda mais pesada para os micros e pequenos empresários. “Infelizmente nem todas as empresas terão como efetuar os pagamentos devidos e ainda assim abrirão. Isso termina sendo um incentivo à informalidade”, reforça a Estatística. Já Radamés complementa: “Mesmo os que violam as ordens de não-funcionamento necessitam de um cenário de circulação. Essa semana pode ser a fila da morte para as empresas, embora seja a tentativa de quebra da curva de contágio da covid-19, pode se tornar a quebra dos últimos empresários que ainda resistem”.

Senado aprova alterações no Código de Trânsito Brasileiro

O Senado aprovou quinta-feira (03/09) o Projeto de Lei (PL) 3.267/2019, que altera regras do Código de Trânsito Brasileiro. O projeto, apresentado pela Presidência da República, traz...

MP fiscaliza distribuição de merenda escolar nos Municípios de Cipó e Ribeira do Amparo

O Ministério Público oficiou os Municípios de Cipó e Ribeira do Pombal para que informem as medidas que foram adotadas nas cidades para assegurar a continuidade do...

Endividamento e inadimplência crescem no país em agosto, diz CNC

O percentual de famílias endividadas (com atraso ou não) e inadimplentes (com contas em atraso) aumentou em agosto deste ano. O endividamento atingiu 67,5% das famílias brasileiras,...

Índice de preços globais de alimentos sobe pelo 3º mês seguido

O preço global dos alimentos subiu pelo terceiro mês em agosto, impulsionado por cereais, óleos vegetais e açúcar, disse a agência das Nações Unidas para alimentação nesta...