Mais da metade das pessoas nas favelas não se previne contra covid-19

Mais da metade dos moradores de favelas, 51%, não consegue seguir as medidas de prevenção ao contágio do novo (covid-19) como gostaria, mostra pesquisa divulgada hoje (24) pelo Datafavela, em uma parceria entre o Instituto Locomotiva e a Central Única das Favelas (Cufa). Foram ouvidas 3.321 pessoas.

Segundo o estudo, 39% dos residentes nessas comunidades estão procurando seguir as recomendações de isolamento social e uso de itens de proteção, mas nem sempre conseguem; enquanto 12% disseram que simplesmente não conseguem incorporar as medidas em suas vidas. Os que estão procurando se prevenir e não têm encontrado obstáculos somaram 41% e 8% disseram que não estão nem tentando se prevenir.

A situação das moradias nas favelas também dificulta o isolamento. De acordo com a pesquisa, em 48% dos domicílios dessas comunidades vivem entre quatro a sete pessoas. Porém, 59% das casas têm no máximo dois quartos. Na média geral, dormem 2,6 pessoas por quarto.

“Se um trabalhador se contamina, ele não consegue deixar alguém do grupo de risco isolado dentro da própria casa”, disse o o Instituto Locomotiva, Renato Meireles.

Necessidade de trabalhar

Entre os que não seguem as medidas de prevenção contra o , 72% apontaram a necessidade de trabalhar e manter a renda como principal motivo. Porém, 45% também responderam que não acreditam que precisam seguir todas as medidas e 39% não acham que a doença seja “tão grave”.

“A maioria da população tem baixa escolaridade. Muitas vezes o uso de termos complexos no contexto da pandemia são uma grande barreira para o engajamento e para sensibilização dos moradores de favela”, disse Meireles.

O levantamento mostra que 24% dos residentes de favelas saíram de casa todos os dias na última semana; 11% deixaram a em seis dias, ficando em casa apenas um, e 15% estiveram na rua por cinco vezes no período, o que mostra que metade dessa população não ficou em casa por mais de dois dias em uma semana. Por outro lado, 30% conseguiram manter um isolamento mais rígido, saindo apenas um ou dois dias na semana.

O principal destino fora da foram os supermercados, por onde passaram 85% dos ouvidos pela pesquisa. Em segundo lugar, 71%, vem a região no entorno de casa, quando a pessoa foi para algum lugar nas imediações do local em que vive. Usaram o transporte público, 52%, e foram ao trabalho, 48%.

Apesar do grande número de pessoas que estão saindo de casa devido ao trabalho, 80% das famílias de favelas estão vivendo com menos da metade da renda do que antes da pandemia. De acordo com o estudo, 35% chegaram a perder todos os rendimentos e 45% tiveram uma redução drástica, que levou a renda familiar para menos da metade do que era. Há ainda 11% que perderam metade do que ganhavam e 5% que tiveram uma menos severa do que costumavam receber.

https://informebaiano.com.br/167577/vdestaque/brasil-registra-1-185-obitos-por-covid-19-nas-ultimas-24-horas

Filha denuncia presidente da Câmara de Vereadores de Campo Formoso por agressão; vídeo

A estudante de Medicina, Rafaella Carvalho, 18 anos, filha do presidente da Câmara de Campo Formoso, José Alberto de Carvalho, o 'Zé Lambão', denunciou o pai, neste...

Policiais acolhem família em estado de vulnerabilidade

Após serem procurados por uma adolescente que relatou ter sido expulsa de casa na tarde deste sábado (11), policiais do 18º Batalhão de Polícia Militar (BPM/Centro Histórico...

Arma dispara acidentalmente dentro de viatura e policial morre em Feira de Santana

Uma policial militar lotada na 64ª CIPM morreu na noite desta segunda-feira (13/07) após a arma disparar acidentalmente dentro da viatura, em Feira de Santana. Atingida na...

Dólar sobe para R$ 5,388 e fecha no maior nível em duas semanas

Num dia de volatilidade no mercado financeiro, o dólar aproximou-se de R$ 5,40 e fechou no maior valor em duas semanas. A bolsa de valores, que tinha...