Saúde divulga dados atualizados sobre hepatites no Brasil

O Departamento de Doenças de Condições Crônicas e Infecções Sexualmente Transmissíveis, da secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde publica hoje (28), Dia Mundial de Luta Contra Hepatites Virais, o boletim epidemiológico de 2020. O caderno traz ações, números e orientações sobre a doença no Brasil. A campanha de luta contra as hepatites virais é conhecida como Junho Amarelo.

Segundo o documento, as ações de combate aos diferentes tipos de hepatites fazem parte da lista de prioridades do departamento. O documento mostra que, na última década (1999-2019), foram notificados 673.389 casos de hepatites virais diversas no Brasil. A hepatite C é a forma mais comum, e responde por 37,6% de todos os casos registrados, concentrando-se principalmente na Regiao Sudeste.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), as hepatites virais causam cerca de 1,7 milhão de mortes no mundo a cada ano.

O que são hepatites?

Caracterizadas principalmente por inflamações no fígado, as hepatites constituem o segundo maior grupo de doenças infecciosas letais no mundo. As hepatites são causadas por vírus, mas outras condições, como consumido excessivo de bebidas alcoólicas, também podem causar o quadro. As hepatites virais se dividem em 5 doenças diferentes: tipo A, B, C, D e E.

O Brasil é faz parte da iniciativa criada pela OMS chamada “Estratégia Global para Eliminação das Hepatites Virais como Problema de Saúde Pública”, que visa reduzir novas infecções em 80% e a taxa de mortalidade para 65% em relação às médias atuais ao ano.

Os tipos de hepatite

Segundo os dados publicados, o Ministério da Saúde distribuiu 1,9 milhão de doses de vacina para hepatite A em 2020. A hepatite A é alimentar, e ocorre geralmente por falta de higienização de alimentos. A hepatite A é considerada uma doença benigna, entretanto pode ser letal em pessoas com mais idade. Condições sanitárias precárias também podem transmitir essa variação da doença.

A hepatite B não tem cura, e é uma doença silenciosa – transmitida sexualmente. O Sistema Único de Saúde fornece a vacina para a hepatite B. Segundo a pasta, 7,2 milhões de doses de vacina para hepatite B foram levados aos postos de saúde neste ano. O boletim informa que há medicamentos para combater a hepatite B em estoque suficiente para suprir a demanda até o primeiro trimestre de 2021.

Já a hepatite C, que também é transmitida sexualmente, não tem vacina. A medida profilática recomendada pela OMS é o uso de preservativos durante a relação sexual. Procedimentos de saúde invasivos, que utilizem seringas ou objetos cortantes-perfurantes também podem transmitir a hepatite C.

Bahia registra 1.833 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.833 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de (+0,6%) e 1.857 curados (+0,7%). Dos 301.248 casos confirmados desde o...

Hospital do Câncer em Caetité será entregue em novembro

Com 90% das obras concluídas, o Hospital do Câncer em Caetité será entregue em novembro desse ano, beneficiando moradores de 48 municípios do sudoeste baiano, que precisam...

Fundação José Silveira faz videoconferência sobre teleatendimento para reabilitação da pessoa com deficiência

As conquistas do teleatendimento para a reabilitação da pessoa com deficiência são o tema do webinar (videoconferência) a ser realizado pela Fundação José Silveira (FJS), por meio...

Justiça suspende trabalho presencial de médicos do INSS

A Justiça Federal no Distrito Federal (JFDF) suspendeu a volta ao trabalho presencial de médicos peritos do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). A decisão vale para...