FOTOS! Laudo aponta que miliciano Adriano atirou 7 vezes e policiais baianos foram extremamente profissionais

Estudos realizados pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT) sobre a operação que culminou na morte do miliciano e ex-capitão do Bope, Adriano Nóbrega, concluíram que a “versão dos policiais está em convergência” com os laudos técnicos. O criminoso atirou sete vezes contra a equipe tática especializada composta por três militares da CIPE Litoral Norte, na cidade de Esplanada, no dia 9 de fevereiro, deste ano. A apresentação da conclusão do inquérito foi feita pela Secretaria de Segurança Pública (SSP), nesta quarta-feira (26/08), em coletiva online.

Conforme o relatório, após ser alvo da agressão, a guarnição da CIPE Litoral Norte atirou duas vezes no marginal, que não resistiu aos ferimentos. A perícia apontou que o tenente que estava à frente e o soldado da retaguarda foram os autores dos disparos certeiros. O primeiro tiro atingiu a clavícula e saiu pela costela do criminoso. Já o segundo pegou na lateral do tórax quando o Adriano , que tinha curso de atirador de elite, tentou girar.

Além disso, os peritos ratificaram que “não ocorreu tiro de finalização”, conforme chegaram a insinuar amigos do bandido. Também ficou claro que não houve tortura e o bandido não se rendeu, nem estava com os braços levantados. O exame de microcomparação balística determinou a conclusão, que mostra ainda que os tiros realizados por Adriano atingiram parede, janela, porta e escudo balístico dos policiais.

O DPT também concluiu que a ação dos policiais foi muito rápida e que ocorreu em poucos segundos. Além disso, os policiais foram “extremamente profissionais”.

Depoimentos das autoridades policiais

“Através dos depoimentos de testemunhas e dos envolvidos, além dos exames do DPT, percebemos que os policiais atuaram na tentativa de efetuar a prisão e acabaram entrando em confronto, após disparos de Adriano”, afirmou o diretor do Draco, delegado Marcelo Sansão. Acrescentou que as declarações e perícias convergiram.

O perito criminal José Carlos Montenegro, um dos responsáveis pela reprodução simulada, frisou que os policiais foram ouvidos separadamente. “Remontamos o cenário, com cada um de forma isolada, e a sequência relatada foi a mesma. O cenário analisado retrata um confronto”, destacou. Disse ainda que o miliciano disparou sete vezes, sendo que dois projeteis atingiram o escudo dos policiais e os outros a parede e uma janela.

O diretor do Instituto Médico Legal (IML), perito médico legal Mário Câmara, reforçou que a necropsia não constatou tortura e nem tiros com as armas encostadas em Adriano. “Foram dois tiros que atingiram Adriano, em distâncias superiores a um metro”, concluiu o perito.

Quadrilha de assaltantes de transportes por App era liderada por mulher cadeirante

Liderada por uma mulher cadeirante, uma quadrilha de assaltantes de motoristas de transportes por aplicativo foi desarticulada pelas equipes da 23ª Delegacia Territorial (DT), de Lauro de...

Bolsonaro veta projeto que adiava prazo de entrega da Declaração do IR

O presidente Jair Bolsonaro vetou integralmente o projeto de lei 639/2021, aprovado pela Câmara dos Deputados no último dia 13 de abril, que estendia o prazo para...

Copom eleva juros básicos da economia para 3,5% ao ano

Em meio ao aumento da inflação de alimentos, combustíveis e energia, o Banco Central (BC) subiu os juros básicos da economia em 0,75 ponto percentual pela segunda...

Postos SAC Camaçari e Valença ampliam horário de atendimento ao público

Os postos SAC Camaçari e Valença ampliaram o horário de funcionamento. As duas unidades anteciparam em uma hora o início das atividades diárias, para aumentar a capacidade...