Agosto laranja: entenda a Esclerose Múltipla, doença que atingiu Cláudia Rodrigues

Alguns meses já são comumente conhecidos por estarem atrelados à cores que ajudam na divulgação e prevenção de doenças, como o outubro rosa e novembro azul. Este mês não é diferente. No agosto laranja profissionais de saúde chamam a atenção para a Esclerose Múltipla (EM), doença comum entre as mulheres em idade reprodutiva.

Uma das maiores humoristas do Brasil, a atriz Cláudia Rodrigues foi diagnosticada com a doença há 20 anos. A comediante chegou a ficar em depressão e tentou tirar a vida. Além disso, foi internada várias vezes. Ela teve dificuldades para andar e desvio em um dos olhos. Em 2015 ela fez um transplante de células-tronco nos Estados Unidos e melhorou consideravelmente seu quadro de saúde.

Felipe Oliveira, professor assistente de Neurologia da UNIFACS dá mais detalhes sobre a doença e sintomas que podem ajudar a identificá-la. A Esclerose Múltipla é uma doença autoimune, ou seja, acontece quando as células de defesa reconhecem o próprio corpo como inimigo. Ela é mais comum em mulheres (a cada 15 mulheres, um homem desenvolve), e começa a se manifestar principalmente em idade fértil, na faixa dos 20 aos 45 anos. “É um processo que acarreta na destruição da bainha de mielina, que é fundamental para o funcionamento dos neurônios. Isso vai acontecendo de forma pontual, em pequenos surtos espaçados”, explica Felipe.

Segundo ele, não existe um exame específico que consiga indicar a possibilidade ou prever a doença com antecedência. O diagnóstico é feito a partir de uma junção de fatores como estar dentro da “faixa de risco” e avaliação clínica a partir do histórico do paciente, aliados a exames de imagem e laboratoriais. No entanto, só é possível ter a confirmação quando a doença já houver surgido. “Consideramos uma doença esporádica e não hereditária. É comum que as pessoas desenvolvam sem que ninguém da família a tenha manifestado anteriormente”, completa.

Sintomas

Os sintomas são muito diversos, pois a doença afeta todo o sistema nervoso. Podem acontecer desde alterações visuais a motoras, piora ou perda repentina de visão, como dormência, formigamento, fraqueza ou perda de movimento nas pernas. “Todos esses sintomas podem ter uma causa que não a esclerose, por isso é importante perceber quando algum deles acontece e avança de forma muito rápida, em questão de horas ou dias e se for persistente. Nesse caso, o ideal é procurar um médico, especialmente o neurologista, para fazer uma avaliação. Quanto mais cedo a doença é identificada, mais chance há de realizar um tratamento eficaz”, elucida Felipe.

Tratamento

A Esclerose é uma doença crônica, ou seja, que não tem cura. Mas existem formas de reduzir ou até mesmo impedir a progressão dos sintomas. Para controlar a doença existem tratamentos através de medicação (oral, venosa, subcutânea, injetável, etc.), que deve ser aliada a tratamentos de reabilitação, como fisioterapia e fonoaudiologia. Em alguns casos pontuais, há também a possibilidade de transplante de medula óssea. “Essa opção é bem restrita, para os casos em que se tem uma evolução muito rápida, ou quando os tratamentos comuns não obtêm resposta”, explicita o professor.

Últimas Noticias

PM desmonta acampamentos do tráfico em São Roque do Paraguaçu e Antônio Cardoso

A Companhia Independente de Policiamento Especializada (Cipe) Litoral Norte desmantelou, até a manhã desta sexta-feira (3), acampamentos localizados na...