Pastor que batizou Bolsonaro preso e Witzel afastado do cargo de governador

O Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou o afastamento imediato, inicialmente por seis meses, do governador Wilson Witzel (PSC) do cargo, nesta sexta-feira (28/08). Ele é investigado por irregularidades na saúde. O vice-governador, Cláudio Castro – que assume o cargo é alvo de mandado de busca.

A decisão ainda proíbe o acesso de Witzel às dependências do governo do estado e a sua comunicação com funcionários, além de utilização dos serviços. Outras oito pessoas, incluindo a primeira-dama Helena Witzel, também foram denunciados pela Procuradoria-Geral da República (PGR) por corrupção. As diligências foram autorizadas pelo ministro Benedito Gonçalves. A PGR pediu a prisão de Witzel, mas o STJ negou.

“O grupo criminoso agiu e continua agindo, desviando e lavando recursos em plena pandemia da Covid-19, sacrificando a saúde e mesmo a vida de milhares de pessoas, em total desprezo com o senso mínimo de humanidade e dignidade”, destacou o ministro do STJ na decisão.

A defesa de Witzel disse que “recebe com grande surpresa a decisão de afastamento do cargo, tomada de forma monocrática e com tamanha gravidade”.

“Os advogados aguardam o acesso ao conteúdo da decisão para tomar as medidas cabíveis”, diz a nota.

Pastor Everaldo preso

O presidente nacional do PSC, Pastor Everaldo, foi preso na operação. O homem, que foi candidato à presidência da República em 2014 e também ao Senado em 2018, foi o responsável por batizar o presidente da República Jair Bolsonaro.

Em nota, a defesa dele declarou que “o pastor sempre esteve à disposição de todas as autoridades e reitera sua confiança na Justiça”.

No total, são 17 mandados de prisão, sendo seis preventivas e 11 temporárias, e 72 de busca e apreensão.

Mandados de prisão confirmados:

Pastor Everaldo, presidente do PSC (preso);
Lucas Tristão, ex-secretário de Desenvolvimento Econômico;
Sebastião Gothardo Netto, médico e ex-prefeito de Volta Redonda (preso).

Mandados de busca e apreensão confirmados:

contra a primeira-dama, Helena Witzel, no Palácio Laranjeiras;
contra Cláudio Castro, vice-governador;
contra André Ceciliano (PT), presidente da Assembleia Legislativa (Alerj);
contra o desembargador do Trabalho Marcos Pinto da Cruz.

Os mandados estão sendo cumpridos também em outros endereços nos estados do Rio de Janeiro, Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais, Alagoas, Sergipe, Piauí e no Distrito Federal.

Motorista de aplicativo é atacado por traficantes em Plataforma

Dois traficantes tentaram parar um motorista de aplicativo que seguia na Avenida Suburbana e atiraram quatro vezes contra o veículo, na noite desta segunda-feira (23/11). O caso...

“Quem vai dizer quando o carnaval vai acontecer é a ciência”, afirma secretário do turismo do estado

Questionado sobre a pressão para que seja definida uma data para realização de grandes eventos na Bahia, a exemplo do carnaval, o secretário do turismo do estado,...