Não se deve menosprezar a capacidade de um surdo, diz pesquisador

Entre livros, aulas e pesquisas, Messias Ramos Costa se prepara para defender seu doutorado em Linguística, pela Universidade de Brasília (UnB). Enquanto trabalha e participa da entrevista com a Agência Brasil sobre o Dia Nacional dos Surdos, seu cão lhe indica que há alguém batendo na porta. É assim que dribla a falta de audição enquanto comenta sobre o intercâmbio que realiza em Lisboa para que sua pesquisa seja contemplada. “Minha proposta é fazer um projeto mundial de interação entre os países na área de linguística em línguas de sinais.”

Na conversa por videoconferência, Messias conta não sobre a importância do Dia Nacional do Surdo, mas analisa como a comunidade surda passou a ter, cada vez mais, lideranças para lutar por seus direitos.

A rotina de Messias é alternada entre as dificuldades de comunicação ao ir a um banco ou pela novidade de poder consultar com o médico com a participação de um intérprete por meio de um aplicativo de celular. “Antes havia muita confusão, mas devido à luta da comunidade surda, a gente consegue. Fico muito feliz de ter conseguido ter essa interação na área de saúde.”

Ele foi o primeiro professor substituto da disciplina Língua de Sinais Brasileira (LSB), no Curso de Letras do Departamento de Linguística, Português e Línguas Clássicas, onde dá aulas há mais de dez anos. Até chegar a um currículo extenso de estudos, voluntariado e projetos premiados, teve que enfrentar uma trajetória onde não havia diretrizes de acessibilidade aos surdos. Da infância à adolescência, cresceu sendo oralizado até que conheceu a Língua Brasileira de Sinais (Libras) aos 21 anos. “Foi então que eu comecei a me enturmar com a sociedade. Por mais que houvesse desafios, eu conseguia vencer”.
Sobre a entrevista

A entrevista foi realizada por videoconferência com a participação da intérprete da EBC, Brenda Rodrigues. A conversa é apresentada a seguir no modelo de perguntas e respostas. O português é o segundo idioma para os surdos e, apesar de não ser ser capaz de reproduzir o sinal que os identifica em Libras, o texto escrito permite que mais pessoas com alguma deficiência tenham acesso ao conteúdo. Além disso, o site da Agência Brasil disponibiliza a ferramenta VLibras, que simula as letras e expressões em Libras por meio de um avatar para traduzir determinados vocabulários menos comuns aos surdos.

Agência Brasil: Qual a importância do Dia Nacional dos Surdos, oficializada pela lei nº 11.796, de 2008?
Messias Ramos Costa: É de extrema importância ter o Dia da pessoa surda, da identidade e cultura surda.Esse dia foi criado no o INES [O Instituto Nacional de Educação de Surdos foi criado em 26 de setembro de 1857, sendo a primeira instituição de ensino do tipo], no estado do Rio de janeiro, e se espalhou pelo Brasil. O surdo francês Huet [Messias mostra o sinal identificativo de Huet em Libras] veio para o Brasil e começou a ensinar a língua de sinais para as crianças surdas e fez a divulgação da língua por todos os estados do Brasil. Ele foi a liderança da luta e movimentos da língua de sinais. Por isso é importante ter o dia do surdo, para lembrar a história e agradecer a essa pessoa, Huet, que alavancou a luta e possibilitou melhorias nas políticas de acessibilidade em diferentes estados do Brasil.

Agência Brasil: Diante de tantos desafios e dificuldades que o surdo enfrenta, como foi se tornar professor e pesquisador?
Messias Ramos Costa: Eu lembro quando eu era criança fui ensinado a oralizar e tinha várias barreiras na comunicação não me sentia bem, tinha várias dificuldades, não havia comunicação. Com o tempo, aprendi a língua de sinais, comecei a aprender com 21 anos. Ali eu comecei a ter aquisição da língua e da sociedade surda e progredi, me sentia melhor. Eu me esforcei, a língua de sinais me auxiliou muito em diferentes coisas, na informação, no aprendizado eu tinha um entendimento certo das coisas. Eu tinha uma identidade, a identidade surda. Tive autonomia no aprendizado em correr atrás, pedagogia, também fiz magistério, depois fiz o curso de Letras – Libras, depois fiz a pós-graduação e o mestrado em Linguística pela UnB [Universidade de Brasília] e ali fui adquirindo mais consciência. Faz dez anos que trabalho como professor pela UnB. Um líder que me ensinou, o Antônio Campos [faz o sinal dele em Libras] me aconselhou que eu me desafiasse a ter experiências novas. Isso foi se somando ao longo dos anos, e consegui vencer todas essas barreiras.

Agência Brasil: O senhor é exemplo para muita gente por ter chegado aonde chegou. O que mudou para surdo ao longo da sua trajetória?
Messias Ramos Costa: O principal da minha história é que não tinha lei, pelo não tinha a lei de 2002 de Libras. Então, até ali era muito difícil porque, dentro das escolas, não tinha inclusão, nada disso. Hoje é diferente, já tem atendimento em português como segunda língua. O surdo consegue ter uma aquisição melhor, ele consegue aceitar melhor sua identidade surda. Ele consegue vencer. O surdo hoje tem referências de líderes para copiar e aprender. Hoje é mais possível se sobressair. O surdo é capaz, ele consegue, ele luta, ele se acredita como pessoa com a sua identidade surda com a sua própria língua. Alguns jovens que estão crescendo amam aprender, ter essas novas experiências e eu tenho orgulho de poder ajudá-los.

Agência Brasil: Temos duas leis importantes para a comunidade surda, a de Libras em 2002 e do Dia Nacional do Surdo, em 2008. Quais desafios para que essas leis sejam mais valorizadas?
Messias Ramos Costa: Essas são leis principais porque ajudam muito na luta da comunidade surda, na luta de diferentes áreas e diretrizes. Por exemplo, na área da escola, de saúde e trabalho. Essa comunicação é essencial, manter esse contato, essa interação entre a sociedade.

É um direito do surdo se comunicar. É importante evitar oprimir, menosprezar a capacidade, a inteligência de um surdo. E essa lei trouxe essa segurança de dar direitos a esses valores da comunicação. Temos também a LBI [Lei Brasileira de Inclusão] que hoje precisa de alguns ajustes para ajudar a comunidade na área da linguística.

Agência Brasil – Quais são seus desafios diários como cidadão?
Messias Ramos Costa: Sempre estou em diferentes lugares utilizando Libras. Nisso, falta acessibilidade de comunicação nos hospitais, nos bancos. Mas, aos poucos, vai se aumentando essa inclusão. Futuramente, essa questão de sentir-se oprimido por causa da comunicação deve diminuir. Exemplo pessoal: no ano passado fui no hospital e foi muito difícil me comunicar com alguém. Hoje não, hoje eu consigo usando um aplicativo que coloca o profissional e o intérprete e permite a comunicação com o médico por meio das Libras. Então, estou muito feliz de ter conseguido ter essa interação na área de saúde. Antes havia muita confusão, mas devido à luta da comunidade surda, a gente consegue.

Agência Brasil – Hoje já temos surdos em um cargo de alto escalão do governo. Como o senhor avalia a inclusão da comunidade surda no mercado de trabalho?
Messias Ramos Costa: É importantíssimo ter uma representante surda dentro do governo pois isso mostra como, por exemplo, a Priscila Aguiar [atual secretária de Inclusão da Pessoa com Deficiência] e outras pessoas que estão no Ministério da Educação, a Crisiane, mostram que …dentro do governo, precisa esse vínculo de comunicação. É importante a inclusão da pessoa surda nesse governo. Mostrar que o surdo tem o direito de mostrar os seus valores a comunicação.

Bahia registra 1.772 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 1.772 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,5%) e 1.397 recuperados (+0,4%). Dos 347.721 casos confirmados desde o...

Paciente supera câncer de mama e volta ao Hospital da Mulher para apresentação musical

“É uma emoção muito grande. É uma coisa surreal”. Com essas palavras, a artista e agora ex-paciente do Hospital da Mulher, Taty Drummond, resumiu o retorno à...

Governo inclui Unidades Básicas de Saúde em programa de concessões

O governo federal incluiu a política de fomento ao setor de atenção primária à saúde no seu programa de concessões e privatizações, o Programa de Parcerias de...

Calor intenso e tempo seco acendem alerta para cuidados com a saúde do idoso

Em 2020, os índices indicam recordes de temperaturas elevadas no Brasil, revelando como um dos anos mais propensos a agravar problemas de saúde, que possuem relação direta...