Armênia e Azerbaijão acusam-se de violar nova trégua

A Armênia e o Azerbaijão acusam-se de terem quebrado uma “trégua humanitária” apenas poucas horas depois de ter entrado em vigor na disputada região de Nagorno-Karabakh. Esta região montanhosa, no sul do Cáucaso, está no centro do conflito entre a Armênia e o Azerbaijão, tendo sido intensificado no fim de setembro com avanços armados por parte dos dois Estados na tentativa de incorporar a região nas respectivas fronteiras

A “trégua humanitária” foi acertada neste sábado (17) e entrou em vigor a partir da meia-noite, depois de um cessar-fogo mediado pela Rússia há uma semana não ter conseguido travar o conflito que dura mais de 30 anos.

No entanto, a porta-voz do Ministério da Defesa armênio, Shushan Stepanyan, anunciou no Twitter que o Azerbaijão quebrou o acordo apenas quatro minutos após a entrada em vigor: “O inimigo disparou artilharia na direção Norte, entre as 0h04 e as 2h45 [21h04 e 23h45 de sábado em Lisboa] e lançou mísseis em direção ao Sul entre as 2h20 e as 2h45 [23h20 e 23h45 de sábado em Portugal continental]”. O Ministério da Defesa disse ainda que tomará todas as “medidas necessárias” para chegar a um cessar-fogo e formas de o aplicar na área.

Mais tarde, o Azerbaijão também acusou a Armênia de quebrar a trégua. “O inimigo disparou nas proximidades da cidade de Jabrail, bem como nas aldeias dessa região, usando morteiros e artilharia”, disse o Ministério da Defesa do Azerbaijão, acrescentando que o Exército “tomou medidas de retaliação adequadas”. “Há vítimas e feridos de ambos os lados”, disseram as autoridades em Nagorno-Karabakh.

Ontem, o Azerbaijão já tinha acusado a Armênia de atacar Ganja, a sua segunda maior cidade, com um míssil balístico que matou pelo menos 13 civis e feriu 50. Cerca de 20 prédios residenciais ficaram destruídos e as autoridades passaram horas a procurar vítimas e sobreviventes entre os escombros. Ganja já tinha sido atingida no domingo passado por um míssil, que matou dez pessoas e deixou mais de 30 feridos.

O que está em causa no conflito
Nagorno-Karabakh, uma região montanhosa a sul do Cáucaso, pertence ao Azerbaijão, mas está sob controle de forças étnicas apoiadas pela Armênia desde que foi acordado um cessar-fogo em 1994, que encerrou uma guerra de seis anos pelo território.

Apesar do cessar-fogo, o impasse prevaleceu e voltou a entrar em escalada em setembro, com avanços armados por parte dos dois Estados na tentativa de incorporar a região às suas fronteiras.Os últimos combates envolvem artilharia pesada, mísseis e drones, já tendo provocado a morte de mais de 700 pessoas e a fuga de outras, no que é considerado o pior conflito desde o fim da guerra, há 26 anos.

Otto Alencar diz que é “intempestivo” falar de eleições, mas admite que pode disputar governo baiano

O presidente estadual do PSD e senador Otto Alencar afirmou na manhã desta segunda-feira (08/03) ser “intempestivo” discutir, nesse momento de pandemia da Covid-19, sobre as eleições...

Papa Francisco deixa o Iraque após visita de três dias

O papa Francisco deixou hoje (8) o Iraque, após a primeira visita de um chefe de Estado do Vaticano ao país. Não foram registrados incidentes em territórios...

Mulher receberia mil reais para entregar droga em Salvador avaliada R$1,3 milhão

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) na Bahia prendeu uma mulher de 40 anos e apreendeu 11 kg de pasta base de cocaína, em Vitória da Conquista, no...

Operação Resguardo combate crimes contra a mulher em toda Bahia

No Dia Internacional da Mulher, suspeitos de ameaça, tentativa de feminicídio, lesão corporal, descumprimento de medida protetiva, estupro, importunação, entre outros crimes, são alvo da Operação Resguardo,...