Ireuda e titular da Semdec discutem oportunidades para mulheres surdas

Vereadora defende estímulo à construção da autonomia e da dignidade no mercado de trabalho

Como se não bastasse o machismo que, por si só, exclui muita mão de obra qualificada do mercado de trabalho, as mulheres com deficiência auditiva também enfrentam várias outras barreiras na busca por um emprego formal e digno. Com isso em mente, a presidente da Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher, vereadora Ireuda Silva (Republicanos) se reuniu terça-feira (9) com Mila Paes, titular da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Emprego e Renda (Semdec), para discutir o tema.

Dificuldades para se qualificar, preconceito e falta de preparo das empresas são alguns dos obstáculos a serem vencidos, como avalia a vereadora. “A desigualdade no mercado de trabalho para com as pessoas surdas, principalmente as mulheres, é gritante. Chega a ser uma violação da lei que garante igualdade de oportunidade a todos os brasileiros. Por isso, é necessário que pensemos estratégias para além de estimular as empresas a abrirem cotas. Precisamos criar condições para que essas mulheres se ergam e se autonomizem na própria dignidade”, disse Ireuda.

Nesse sentido, tramita na Câmara Municipal de Salvador (CMS) o Projeto de Indicação n° 540/2020, da vereadora Ireuda Silva, que prevê a criação do departamento SIMM Mulher Surda no SIMM Mulher. O objetivo é promover a capacitação e inclusão das mulheres surdas no mercado de trabalho. “[…] é notória a desigualdade existente no mercado de trabalho entre homens e mulheres e em especial as mulheres surdas que possuem maiores dificuldades para ingressarem no mercado de trabalho em virtude da ausência de qualificação e o preconceito existente pelos empregadores que associam possíveis limitações como a incapacidade para o exercício de uma profissão”, diz um trecho da matéria.

Também participaram da reunião na terça-feira (9) Maria Eduarda Lomanto, diretora de Trabalho e Empreendedorismo, e Vera Garcez, assessora da Semdec.

Violência

Como destaca Ireuda, outro problema enfrentado pelas mulheres surdas de maneira muito mais intensa é a violência doméstica. Dados mostram que os casos aumentaram na pandemia, e a subnotificação pode ser maior do que se imagina. “Como as mulheres surdas vão ligar para denunciar se a maioria delas se comunica por libras?”, questiona. Para a republicana, melhores oportunidades de emprego também podem ajudá-las a se livrar desse mal, já que terão mais condições de depender menos dos maridos.
De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), são 10 milhões de pessoas surdas no Brasil, o que equivale a 5% da população brasileira.

Pequenas empresas veem oportunidades geradas pela crise

Apesar de quase metade (49%) das micro, pequenas e médias empresas terem sofrido impactos negativos devido à crise gerada pela pandemia de covid-19, 90% acreditam que o...

Peregrinação de Bolsonaro por partido continua e agora presidente quer PSC

O presidente Jair Bolsonaro sinalizou nos bastidores que agora sua intenção é retornar ao Partido Social Cristão (PSC) para ser o candidato dos evangélicos em 2022. Ele já...

Deputado João Bacelar destina 50 respiradores para Salvador

O deputado federal João Carlos Bacelar (PL) disse que está empenhado no combate à Covid-19 e em levar verbas para a Bahia. Nesta quarta-feira (03/03), um ex-assessor...

Jonga Bacelar sobre Operação Falso Negativo: “Não tutelo nem minha mulher, quanto mais ex-assessor”

Procurado pelo Informe Baiano, o deputado federal Jonga Bacelar (PL) disse nesta quarta-feira (03/03) que "não tenho nada a ver com isso”. A declaração é em relação...