Quatro nadadores atingem marcas para Tóquio em seletiva paralímpica

O primeiro dia da seletiva que define os representantes da natação brasileira na Paralimpíada de Tóquio (Japão) terminou com quatro atletas alcançando índice nas respectivas provas. Com as marcas desta quarta-feira (2), Phelipe Rodrigues, Talisson Glock, Susana Schnarndorf e Gabriel Cristiano aguardam o fim do evento, que acontece até sábado (5), no Centro de Treinamento Paralímpico, em São Paulo, para verem seus nomes entre os 35 classificados da modalidade para os Jogos.

O primeiro foi Phelipe, da classe S10, que nadou a eliminatória dos 100 metros nado livre em 53s72. O tempo máximo era 54s44. Em seguida, na mesma prova e fase, mas pela classe S6, Talisson realizou o percurso em 1min07s55, marca também inferior ao índice (1min08s50). Ainda no período matutino, Susana (classe S4) cravou 3min05s75 na eliminatória dos 150 metros nado medley, tempo bastante folgado em relação aos 3min44s86 estabelecidos como critério. À noite, na final dos 100 metros livre da classe S8, Gabriel Cristiano anotou 1min00s43, 22 centésimos abaixo do índice da categoria, sendo o quarto nadador a garantir marca para Tóquio nesta quarta.

Na natação paralímpica, quanto menor o número das classes voltadas a atletas com deficiência físico-motora (1 e 10) ou visual (11 e 13), maior o grau de comprometimento. A classe S14 é dirigida a nadadores com deficiência intelectual.

O Brasil iniciou a seletiva com quatro atletas classificados para Tóquio: Edênia Garcia (S4), Daniel Dias (S5), Wendell Belarmino (S11) e Carol Santiago (S12), todos campeões mundiais em 2019. Apesar disso, o quarteto participa do evento como preparação. Nesta quarta-feira, Daniel e Carol caíram na água, com destaque à última, que fez 58s98 na final dos 100 metros estilo livre e estabeleceu o novo recorde das Américas, superando uma marca que ela própria havia atingido pela manhã (59s07) e ficando apenas 57 centésimos atrás do recorde mundial da russa Oxana Savchenko em 2012.

Ruiter Silva, por sua vez, quebrou duas vezes recorde das Américas nos 100 metros estilo livre da classe S9, cravando 56s90 pela manhã e 56s64 à noite. A prova não faz parte do programa paralímpico, mas a marca do nadador será validada para composição da equipe do revezamento 4×100 metros estilo livre 34 pontos (em que a soma das classes dos quatro atletas não pode superar 34).

O evento continua nesta quinta-feira (2), a partir das 10h (horário de Brasília), com as provas dos 50 metros nado costas, 400 metros livre, 50 metros e 100 metros nado borboleta. O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) transmite as finais da seletiva no canal oficial do YouTube e na página da entidade no Facebook.

Como os cítricos podem beneficiar a saúde do coração

As doenças cardíacas, incluindo ataques cardíacos e derrames, são a causa de morte mais comum no mundo. E nestas doenças, em específico, os cítricos podem ter um...

Quase 4 toneladas de alimentos são distribuídas pelo PAA em São Sebastião do Passé

O Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), segue garantindo alimento na mesa das pessoas que mais precisam e renda para os agricultores baianos. Na segunda entrega do...

Bahia registra 5.253 novos casos de Covid-19 e mais 84 óbitos pela doença

Na Bahia, nas últimas 24 horas, foram registrados 5.253 casos de Covid-19 (taxa de crescimento de +0,5%) e 4.287 recuperados (+0,4%). O boletim epidemiológico desta quinta-feira (17)...

Eriksen usará desfibrilador após parada cardíaca em campo

O dinamarquês Christian Eriksen usará um cardioversor desfibrilador implantável (CDI) após desmaiar em campo por causa de uma parada cardíaca que sofreu durante a partida de estreia...