Força-Tarefa contra crimes praticados por policiais já alcançou 100 pessoas

A Força-Tarefa de Combate a Crimes de Extermínio e Extorsão Mediante Sequestro liderada pela Corregedoria Geral (Coragem) da Secretaria da Segurança alcançou 100 pessoas em pouco mais de um ano de atividade. O número foi apresentado, na tarde desta terça-feira (8), para a cúpula da pasta.

Até maio deste ano foram realizadas 21 operações, cumpridos 200 mandados de busca e apreensão e 105 de prisão de policiais civis e militares, além de apreenderem armas 20 armas, 10 veículos, cheques e dinheiro.

De acordo com o corregedor-geral da SSP, Nelson Gaspar, o encontro prestou contas à sociedade e os gestores das forças da segurança sobre as iniciativas, no primeiro ano de atividade do grupo. “É um grupo especial, composto por policiais civis e militares, que enfrentam a missão de fazer investigações sensíveis que envolvem grupos de extermínio e extorsões. Muitos destes casos, às vezes, envolvem outros policiais. É uma missão difícil, mas que vem sendo realizada com êxito”, explicou o gestor.

Para o secretário da Segurança Pública, Ricardo César Mandarino, os atos ilícitos devem ser combatidos dentro das instituições e a existência da força-tarefa demonstra o respeito pelas instituições que compõem a pasta. “É uma tarefa difícil e necessária. É importante que estas investigações seja feitas”, enfatizou o gestor.

Entre as operações executadas pela iniciativa está a segunda fase da Operação Casmurro, que alcançou a prisão de um investigador de polícia e o afastamento de um delegado, na última semana.