Implante cerebral promete detectar e curar depressão profunda

Cientistas norte-americanos deram um passo gigante rumo ao diagnóstico e tratamento da depressão profunda ao instalarem um implante elétrico no crânio de uma paciente. O estudo experimental foi divulgado na revista científica Nature Medicine e citado pela BBC News.

Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco, nos Estados Unidos, ressaltam que ainda é cedo para afirmar com certeza absoluta se o aparelho poderá ser colocado na generalidade de pacientes com depressão severa, resistente a outros tipos de tratamento – incluindo medicação, terapia ou tratamento por eletrochoques – porém, estão esperançosos e planejam realizar mais testes.

Sarah, de 36 anos, foi a primeira e única paciente até ao momento submetida ao tratamento experimental. A paciente recebeu o dispositivo há mais de um ano e diz que a sua vida mudou radicalmente.

Conforme explica a BBC, o implante, do tamanho de uma caixa de fósforos, está sempre ligado, no entanto apenas emite um impulso elétrico quando percebe que Sarah necessita.

No passado, a mulher foi submetida a uma série de tratamentos que fracassaram, nomeadamente com antidepressivos e terapia eletroconvulsiva.

“Tinha esgotado todas as opções de tratamento possíveis”, contou Sarah à BBC News.

“A minha vida diária tornou-se tão restrita. Me sentia torturada todos os dias. Mal me movia ou fazia qualquer coisa”.

A cirurgia envolveu fazer pequenos orifícios no crânio de modo a encaixar os fios que monitorariam e estimulariam o seu cérebro.

O implante, com bateria e gerador de pulso, foi colocado no osso, sob o couro cabeludo e cabelo.

“Quando o implante foi colocado pela primeira vez, a minha vida deu uma guinada para cima imediatamente. A minha vida voltou a ser agradável”, destacou Sarah.

“Dentro de algumas semanas, os pensamentos suicidas desapareceram”.

Passado um ano, Sarah continua a se sentir bem e sem efeitos colaterais.

A paciente afirma que não sente o dispositivo enquanto este emite impulsos elétricos, contudo explica: “provavelmente posso dizer em 15 minutos que este disparou devido a uma sensação de alerta e energia ou do positivismo que sinto”.

Mas afinal, como funciona este aparelho potencialmente revolucionário?

De acordo com a pesquisadora Katherine Scangos, psiquiatra da Universidade da California, a inovação foi possível localizando os “circuitos da depressão” no cérebro da mulher.

“Encontramos um local, que é uma área chamada corpo estriado ventral, no qual a estimulação eliminou de forma consistente os seus sentimentos de depressão”, mencionou à BBC News.

Acrescentando: “e também encontramos uma área de atividade cerebral na amígdala que poderia prever quando os seus sintomas eram mais graves.”

Os cientistas destacam que ainda serão necessários mais estudos para testar o tratamento e perceber se este pode ajudar mais pessoas com depressão severa e talvez indivíduos que sofram de outras doenças mentais.

Scangos, que inscreveu dois outros pacientes no teste e espera recrutar mais nove, disse: “temos de observar como esses circuitos variam entre os pacientes e repetir esse trabalho várias vezes”.

Últimas Noticias

Estudante tem tranças cortadas por colega porque “era um cabelo de negro”

Uma estudante catarinense teve as tranças do cabelo cortadas por uma colega e agora se recusa a ir à...