Rio Innovation Week pretende aproximar público da tecnologia

Inovação não está ligada necessariamente a grandes descobertas ou apenas à tecnologia de ponta. O presidente do Conselho Organizador da Rio Innovation Week e um dos idealizadores do evento, Fábio Queiróz, diz que inovar pode ser mudar algo que se faz todo dia e, com criatividade, aperfeiçoar um produto ou serviço.

“Se tirar a caneca do lugar em que ela fica todo dia na mesa e colocar no lado oposto, isso já é uma inovação. A inovação não necessariamente precisa ser disruptiva. Inovar é melhorar processos, aprimorar padrões, é aperfeiçoar o produto que você já tem e romper com o sistema atual, criando outro mais eficaz e barato”, afirma Queiróz em entrevista à Agência Brasil.

Mostrar que tecnologia e inovação podem ser mais simples e mais acessíveis do que se pensa é, segundo Fábio Queiróz, um dos objetivos da Rio Innovation Week, que começa hoje (13) e segue até domingo (16) na capital carioca.

De acordo com o conselho, mais de 500 conferencistas estão confirmados, além de 1,2 mil startups e 190 expositores. Entre eles estão Richard Branson, fundador do grupo Virgin, que irá conversar com o ministro de Ciência, Tecnologia e Inovações do Brasil, Marcos Pontes; Steve Wozniak, cofundador da Apple; e Francis Suarez, prefeito de Miami, que participará de conversa com o prefeito do Rio, Eduardo Paes.

“O visitante vai tocar na tecnologia, vai usar e desmistificar, caso ainda tenha esse preconceito, a complexidade do tema”, diz Queiróz, e acrescenta: “A pandemia nos trouxe necessidade da criatividade também, o desafio de nos transformar e acelerar digitalmente. Nos dias de hoje, inovar, seja no nível mínimo ou máximo, significa, talvez, a sobrevivência ou a falência da empresa”.

Será realmente possível tocar na tecnologia. O evento contará com espaços de realidade virtual, que poderá ser experimentada pelos visitantes, além de robôs que circularão pelo local. Entre eles estarão o Robozão, que tem três metros de altura e é sucesso nas redes sociais; o Icebot, da Roboteria, que serve sorvete; e o Tinbot, primeiro robô brasileiro interativo que reúne inteligência artificial, cognição e internet das coisas.

O evento também pretende chamar atenção para o Rio de Janeiro e colocar a cidade na rota da ciência e tecnologia. De acordo com Queiróz, apesar de ter universidades de excelência, a cidade e o estado do Rio ainda perdem pessoal para outros estados como São Paulo e Santa Catarina. A intenção é colocar em contato diversos agentes do mercado e do governo para impulsionar investimentos.

O desenvolvimento, para o presidente do Conselho Organizador do evento, é algo que vem em conjunto, em colaboração. “Caso o Rio de Janeiro venha aqui instalar um hub de inovação, vai fazer um polo onde as pessoas pensem soluções em conjunto e superem as dificuldades que certamente surgirão. O processo tecnológico requer muita técnica, muita pergunta e, certamente, a solução será mais fácil de ser encontrada”, defende.

Últimas Noticias

Ação rápida da PM recupera armas furtadas da agência do Bradesco de Dias D’Ávila

Uma ação rápida da Polícia Militar recuperou, na madrugada deste domingo (14), armas que foram furtadas da agência do...