Em Lauro de Freitas, vacinação infantil continua nesta segunda (24) para crianças de 8 a 11 anos sem comorbidades; 2ª dose também será aplicada

Nesta segunda-feira (24), a vacinação infantil contra a Covid-19 continua em Lauro de Freitas para os pequenos sem comorbidades com idade entre 08 a 11 anos, das 8h às 12h, na Unime, na Avenida Luís Tarquínio, e na Escola Dois de Julho, na Itinga.

Para receber a proteção é necessário estar cadastrado, apresentar documento de identificação, cartão SUS ou CPF, comprovante de residência, além do formulário de autorização que pode ser impresso através do site da prefeitura –www.laurodefreitas.ba.gov.br ou estará disponível para preenchimento no próprio local de vacinação.

Também nesta segunda-feira (24), adultos ou adolescentes que precisam tomar a 2ª dose da Astrazeneca ou Jansen podem tomar a vacina no Ginásio de Esportes do Aracuí ou Quadra do Colégio Dois de Julho, na Itinga, também das 8h às 12h. Para a 2ª dose é necessário apresentar documento de identificação e cartão de vacina com a primeira dose. A vacinação de para a 1ª e 3ª dose estará suspensa nesta segunda.

Chuva não atrapalhou

Nem mesmo a chuva forte que caiu na manhã deste domingo (23), em Lauro de Freitas, foi capaz de evitar que pais e responsáveis levassem os pequenos para se vacinarem contra a Covid-19. Crianças com idade entre 09 e 11 anos e crianças com comorbidades de 5 a 11, compareceram a Unidade de Saúde da Família São Judas Tadeu, na Itinga,

De acordo com o secretário municipal de Saúde, Augusto César Pereira, a estratégia para aplicar a vacina no domingo foi pensada para dar possibilidade aos que não podem trazer as crianças durante a semana. “Nós estamos aplicando a vacina nos pequenos todos os dias, de segunda a sexta-feira, e separamos o domingo para aqueles que trabalham poderem vir trazer suas crianças para se protegerem. Queremos alcançar o número maior desse público vacinado em menor tempo” explicou.

Apoiando-se uma no braço da outra, as amigas Natália Cristina e Vanessa Costa, uma com 9 e outra com 10 anos, foram acompanhadas pela mãe de uma das crianças, a dona de casa Meire Costa, para tomar a dose da vacina. “Eu tenho medo de agulha, mas sei que é preciso se proteger”, disse Vanessa que corajosamente tomou a vacina primeiro que a amiga.

Ansiosa para ver a filha protegida, Fernanda Carine Lima acompanhava diariamente o chamamento para a idade da filha se vacinar. “Nós nos mudamos para Lauro recentemente e estávamos esperando com muita expectativa este dia. Ela era a única que ainda não tinha se vacinado em casa”, disse abraçando a filha, Giovanna Lima, de 10 anos.

Após tomarem as doses, os responsáveis e crianças aguardam por vinte minutos numa sala reservada. A médica clínica, Bruna Oliveira, orienta enquanto os pais aguardam o tempo para liberação. “É normal após a aplicação das doses as crianças apresentarem um pouco de dor no local ou até um pouco de febre. Basta colocar compressa de água gelada e tomar analgésico de costume”, disse.

Foto: Danilo Magalhães

Últimas Noticias

Comissão aprova projeto que determina igualdade de tratamento a cidadãos em processos administrativos

A Comissão de Trabalho, de Administração e Serviço Público da Câmara dos Deputados aprovou projeto que determina a concessão...