Reunião discute diretrizes da política de saúde mental na Bahia

O Ministério Público estadual participou na última segunda-feira (2) de uma reunião virtual com representantes da Secretaria Estadual de Saúde (Sesab) para discutir as diretrizes da política de saúde mental no Estado e apresentar as ações desenvolvidas pelo MP por meio do projeto institucional ‘Saúde Mental’. “Há cerca de um ano estamos realizando encontros para sensibilizar as instituições e a sociedade em geral sobre a importância de que seja garantido um atendimento integral na área de saúde mental em toda a Bahia”, destacou a promotora de Justiça Patrícia Medrado, coordenadora do Centro de Apoio Operacional da Saúde (Cesau).

Na ocasião também foram discutidas a situação dos municípios para atendimento da população na área de saúde mental e apresentados indicadores dos locais nos quais a rede de atenção ainda não esteja estruturada, a fim de subsidiar a atuação dos promotores de Justiça. Ficaram ainda definidas iniciativas para atuação conjunta em todo o Estado, que incluem a realização de reuniões temáticas por macrorregiões de saúde. Segundo a promotora de Justiça Patrícia Medrado, “é necessária uma atuação conjunta para ampliação de locais de atendimento e de atenção à saúde para pessoas com transtorno mental”, destacou. Ela complementou que recentemente o projeto ‘Saúde Mental’ foi revitalizado e que foram solicitados à Sesab dados atualizados sobre a estrutura instituída e que será implantada para fortalecer a Rede de Atenção Psicossocial (RAPS) na Bahia.

Também participaram do encontro os promotores de Justiça Carlos Robson Leão, Ricardo Menezes Souza e Thaianna Rusciolelli Souza, coordenadores do projeto institucional ‘Saúde Mental’; os servidores das áreas jurídica, técnica e administrativa do Cesau, Lucas Araújo, Candice Lisboa e Adriana Trindade; a diretora de Gestão do Cuidado da Sesab, Liliane Mascarenhas Silveira, além de sua equipe técnica, vinculada à Área Técnica de Saúde Mental.

Últimas Noticias

Ipea: Uma a cada quatro pessoas poderia trabalhar remotamente

No Brasil, aproximadamente uma a cada quatro pessoas poderia trabalhar de forma remota, de acordo com o Instituto de...