Mundial de vôlei de praia começa nesta sexta: cinco motivos para não perder

Está chegando a hora do Mundial de vôlei de praia de 2022. Entre os dias 10 e 19 de junho, a cidade de Roma, na Itália, vai receber a elite do esporte nas areias do lendário Foro Itálico.

O Brasil tem tradição de sobra na competição. Em 12 edições disputadas até hoje, foram 11 medalhas de ouro conquistadas – sete entre os homens, quatro entre as mulheres. Em 2022, o Time Brasil será representado por quatro duplas no masculino e outras quatro no feminino:

• Ana Patrícia e Duda                                            • André Stein e George

• Bárbara e Carol Solberg                                    •Renato e Vitor Felipe

• Rebecca e Talita                                                   • Alison e Guto

• Taiana e Hegê                                                       •Bruno Schmidt e Saymon

Confira cinco motivos para não perder nenhum detalhe do evento:

Dupla líder do ranking

O Brasil estará representado na Itália pela dupla que lidera o ranking internacional masculino. André Stein e George têm se destacado no cenário internacional e conquistado títulos, como o Sul-Americano, realizado em maio. No último fim de semana, os dois foram bronze na etapa Elite de Jurmala, na Letônia, e despontam como uma das principais esperanças de medalha para o Brasil na competição.

Boa fase de Bárbara e Carol

No feminino, o Brasil também contará com uma dupla que figura entre as melhores do mundo atualmente. Bárbara, prata nos Jogos Olímpicos Rio 2016, e Carol Solberg, estão na segunda posição no ranking mundial e têm colecionado bons resultados. O último deles foi a prata na etapa Elite de Jurmala, na Letônia.

Reedição de dupla vencedora

Quem também esteve no pódio no último desafio antes do Mundial foi a parceria formada por Ana Patrícia e Duda. Elas voltaram a jogar juntas no ano passado, após os Jogos Olímpicos de Tóquio, e têm um histórico vencedor no passado: foram medalha de ouro nos Jogos Olímpicos da Juventude, em 2014, em Nanquim, e agora esperam repetir o sucesso no Mundial. Em Jurmala, ficaram com o bronze.

Boas lembranças no Foro

Esta será a segunda vez que Roma sedia o Mundial de vôlei de praia. Na primeira, em 2011, os brasileiros tiveram festa completa. Juliana e Larissa conseguiram uma virada maiúscula para serem campeãs sobre as rivais históricas Kerri Walsh e Misty May. Alison e Emanuel, no auge da parceria, foram ouro em final contra os compatriotas Ricardo e Márcio.

Medalhistas olímpicos em ação

Além das fortes duplas brasileiras, o Mundial da Itália também contará com outras parcerias de sucesso pelo mundo nos últimos tempos. Quatro duplas medalhistas em Tóquio 2020 estarão na disputa em Roma. No masculino, Anders Mol e Christian Sorum, da Noruega, que conquistaram o ouro, e Cheriff Younousse e Ahmed Tijan, do Catar, que ficaram com o bronze, estão confirmados. Já no feminino, farão parte do torneio as australianas Taliqua Clancy e Mariafe Artacho del Solar, vice-campeãs olímpicas, e Joana Heidrich e Anouk Vergé-Depré, da Suiça, que foram bronze no Japão.

Confira os adversários dos brasileiros na primeira fase

Feminino                                                                      

GRUPO B                                                                             
Duda/Ana Patrícia (BRA)
Hermannova/Stochlova (TCH)
Schutzenhofer/Plesiutshchnig (AUT)
Wang/Xia (CHN)

GRUPO D

Bárbara Seixas/Carol Solberg (BRA)
Megan/Nicole (CAN)
Diana/Margarita (VEN)
Erika/Poletti (PAR)

GRUPO G
Talita/Rebecca
Day/Stockman (EUA)
Lahti/Ahtianen (FIN)
Payano/Rosario (DOM)
GRUPO I
Taiana/Hegê
Muller/Tilman (ALE)
V. Orsi Toth/ R. Orsi Toth (ITA)
Worapeerachayakorn/Naraphornrapat (TAI)
Masculino
GRUPO A
Bruno Schmidt/Saymon (BRA)
Rossi/Carambula (ITA)
N. Capogrosso/T. Capogrosso (ARG)
Jawo/Jarra (GAM)
GRUPO E
André/George (BRA)
Samoilovs/Smedins (LET)
Huber/Dressler (AUT)
Salemi/Vakili (IRA)
GRUPO L
Renato/Vitor Felipe (BRA)
Alison/Guto (BRA)
Nicolaidis/Carracher (AUS)
Mora/Lopez (NIC)

Últimas Noticias

Vacina contra tuberculose, BCG registra baixa cobertura no Brasil

Apesar de ser obrigatória para recém-nascidos, a vacina BCG - que protege contra as formas graves da tuberculose -...