Governo precisa de sistema tributário mais progressivo, diz Mansueto

Simples O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda criticou as regras atuais para o enquadramento de empresas no regime especial de tributação do Simples Nacional. No seminário que discute subsídios, promovido pelo TCU, ele disse que esses regimes voltados a pequenas empresas existem em qualquer país, mas o Brasil permite que muitas empresas se encaixem nos requisitos. “Nosso teto é relativamente muito alto. Em outros países, o teto em dólar para participar de regime especial de tributação é de US$ 150 mil (ao ano). Aqui no Brasil é de mais de US$ 1 milhão e vai aumentar”, afirmou Almeida, lembrando que o Simples é a maior renúncia tributária do governo. Outro problema, segundo ele, é que a legislação permite que profissionais liberais optem por pagamento de imposto via Simples, o que reduz muito a alíquota efetiva na comparação com um profissional que recebe o mesmo valor, mas tem carteira assinada e paga Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). Reversão difícil A revisão de subsídios que hoje são bancados por consumidores por meio de tarifas, como de energia elétrica, é difícil de ser feita agora, disse Mansueto Almeida. “Precisaria aumentar o gasto (do governo) em mais de R$ 15 bilhões a R$ 20 bilhões por ano, e hoje não tem espaço fiscal para isso. Infelizmente os erros do passado são difíceis de consertar”, afirmou. O secretário explicou, entretanto, que parte do dinheiro a ser obtido com a “descotização” das usinas da Eletrobras será direcionado para ações no próprio setor para evitar um salto nas tarifas de energia para consumidores. A descotização prevê que a Eletrobras pague um bônus ao governo para poder voltar a comercializar sua energia a preços de mercado – hoje, os preços são mais baixos. Com preços de mercado pela energia da Eletrobras, isso é ganho para a companhia, mas também pode se transformar em elevação de tarifas. É por isso que parte do ganho obtido pela empresa será “revertido em ações no próprio setor para que impacto tarifário seja pequeno”, explicou Almeida. O secretário disse ainda que a questão dos subsídios conta com uma falha na legislação. Quando há a intenção de elevar gastos com saúde e educação, é preciso designar a fonte de recursos, mas não é necessário quando se trata de subsídios. “Se governo quiser aumentar sua divida em R$ 100 bilhões para financiar políticas, não precisa provar que fonte de financiamento existe. É vista como despesa de caráter não continuado. Por questão de legislação, tornou-se muito mais fácil elevar brutalmente sua dívida do que com ações que ele precisa definir a fonte de recursos”, comentou.]]>

- publicidade -

Ultimas Noticias

Chocolates de cooperativas ganham destaque em festival no sul baiano

Chocolate sem lactose, aromatizantes e glúten; com jaca, abacaxi, coco, com licuri e goiaba... As combinações exóticas, que geram sabores marcantes e peculiares, produzidas...

Prefeitura de Salvador requalifica travessa e campo de futebol em São...

"Aqui antes era muito ruim, muita lama em época de chuva, horrível de andar. Agora está maravilhoso, está 100%". O relato do pedreiro e...

Canditados na lista de espera do ProUni devem comprovar informações

A partir de hoje (19), todos os candidatos que estão na lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) deverão ir às instituições...

Ônibus estão transitando normalmente em Santo Inácio e Mata Escura, diz...

Presidente em exercício do Sindicato dos Rodoviários da Bahia, Fábio Primo, afirmou em conversa ao Informe Baiano que o clima está tranquilo nesta sexta-feira...
Publicidade