Governo precisa de sistema tributário mais progressivo, diz Mansueto

Simples O secretário de Acompanhamento Econômico do Ministério da Fazenda criticou as regras atuais para o enquadramento de empresas no regime especial de tributação do Simples Nacional. No seminário que discute subsídios, promovido pelo TCU, ele disse que esses regimes voltados a pequenas empresas existem em qualquer país, mas o Brasil permite que muitas empresas se encaixem nos requisitos. “Nosso teto é relativamente muito alto. Em outros países, o teto em dólar para participar de regime especial de tributação é de US$ 150 mil (ao ano). Aqui no Brasil é de mais de US$ 1 milhão e vai aumentar”, afirmou Almeida, lembrando que o Simples é a maior renúncia tributária do governo. Outro problema, segundo ele, é que a legislação permite que profissionais liberais optem por pagamento de imposto via Simples, o que reduz muito a alíquota efetiva na comparação com um profissional que recebe o mesmo valor, mas tem carteira assinada e paga Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF). Reversão difícil A revisão de subsídios que hoje são bancados por consumidores por meio de tarifas, como de energia elétrica, é difícil de ser feita agora, disse Mansueto Almeida. “Precisaria aumentar o gasto (do governo) em mais de R$ 15 bilhões a R$ 20 bilhões por ano, e hoje não tem espaço fiscal para isso. Infelizmente os erros do passado são difíceis de consertar”, afirmou. O secretário explicou, entretanto, que parte do dinheiro a ser obtido com a “descotização” das usinas da Eletrobras será direcionado para ações no próprio setor para evitar um salto nas tarifas de energia para consumidores. A descotização prevê que a Eletrobras pague um bônus ao governo para poder voltar a comercializar sua energia a preços de mercado – hoje, os preços são mais baixos. Com preços de mercado pela energia da Eletrobras, isso é ganho para a companhia, mas também pode se transformar em elevação de tarifas. É por isso que parte do ganho obtido pela empresa será “revertido em ações no próprio setor para que impacto tarifário seja pequeno”, explicou Almeida. O secretário disse ainda que a questão dos subsídios conta com uma falha na legislação. Quando há a intenção de elevar gastos com saúde e educação, é preciso designar a fonte de recursos, mas não é necessário quando se trata de subsídios. “Se governo quiser aumentar sua divida em R$ 100 bilhões para financiar políticas, não precisa provar que fonte de financiamento existe. É vista como despesa de caráter não continuado. Por questão de legislação, tornou-se muito mais fácil elevar brutalmente sua dívida do que com ações que ele precisa definir a fonte de recursos”, comentou.]]>

Ultimas Noticias

Orquestra Afrosinfônica faz apresentação gratuita no Festival da Primavera

A Orquestra Afrosinfônica faz concerto aberto ao público no sábado, 28 de setembro, às 18h30, no Largo da Mariquita, no Rio Vermelho,...

Quatro morrem em acidente em Camaçari

Um acidente com três veículos na via conhecida como Estrada da Cetrel, em Camaçari, região metropolitana de Salvador, deixou quatro mortos e sete feridos...

Prefeitura de Simões Filho entrega obras em Mapele

O distrito de Mapele, localizado na cidade de Simões Filho, Região Metropolitana de Salvador (RMS), há mais de 20 anos aguardava por intervenções de...

Na Boca do Rio, revólver e R$ 2,3 mil em cocaína...

Guarnições das Rondas Especiais (Rondesp) Atlântico capturaram Anderson do Nascimento Lima, 21 anos, com revólver e 2,3 mil reais em pinos com cocaína. O...
Publicidade