Trotes à Codesal prejudicam atendimento aos cidadãos no período chuvoso

Enquanto muitas pessoas precisam dos serviços da Defesa Civil de Salvador (Codesal) para registros de ocorrências em casos de desastres ocasionados pelas chuvas através do telefone 199, outras utilizam a ferramenta para a prática de trote. A atitude resulta em uma série de problemas tanto para o órgão, quanto para a população. Apenas nos primeiros três meses de 2018, foram registrados aproximadamente 1 mil casos de ligações falsas à Codesal – o que corresponde a 6% de todas as ligações para o órgão.

“O trote é danoso para qualquer tipo de operação de emergência. Realizamos diariamente diversas vistorias, feitas através dos técnicos. Quando há um desencontro de informações, ocasiona uma viagem perdida, prejudicando a pessoas que realmente precisam de atendimento em, muitos casos, urgente”, explica o diretor-geral da Codesal, Sósthenes Macedo.

De acordo com o ouvidor-geral do Município, Humberto Viana, os casos de trotes costumam aumentar no período chuvoso e causam um grave problema. “A prática do trote ocasiona o congestionamento da fila de chamadas, o que gera o acúmulo do tempo de espera e, consequentemente, prejuízos para a população principalmente em casos de extrema urgência”, conta. A prática é crime previsto no artigo 266 do Código Penal e o infrator pode pegar de seis meses a um ano de detenção ou multa.

Atendimento – Para o atendimento das emergências civis em Salvador, a Codesal conta com colaboradores que trabalham 24 horas para garantir tranquilidade e comodidade à população em casos de urgência. Através do 199, os cidadãos podem comunicar à Prefeitura casos de deslizamento de terra, ameaça de desabamento de imóvel e ameaça de deslizamento de terra. As demandas registradas são enviadas imediatamente à Codesal e/ou ao órgão competente para rápida resposta ao demandante.