Antes de ser morta pelo ex, estudante pode ter sofrido estupro coletivo

A morte da estudante Luana Maciel dos Santos, 16 anos, supostamente assassinada a facadas pelo ex-namorado, o pedreiro Josemar de Paula Siqueira, de 33 anos, ganhou mais um capítulo nesse domingo (2). Antes de ser morta, a vítima, segundo apura a Polícia Civil, pode ter sofrido estupro coletivo. O crime foi cometido no último dia 25, em Apiaí, no interior de São Paulo.

Além de Josemar, que está preso, estariam envoldidos outros dois homens, que ainda não foram identificados, de acordo com o G1. Laudo feito pelo Instituto Médico Legal (IML) atestou estupro. “Houve coito anal, e foi colhido material genético para identificar se as outras duas pessoas que acompanhavam Josemar participaram”, informou o delegado responsável pelo caso, Valmir Oliveira Barbosa, titular da cidade.

Investigação

O inquérito deve ser finalizado ainda nesta segunda-feira (3), para ser remetido ao Ministério Público. “Trabalhamos para identificar essas duas outras pessoas. Infelizmente, as imagens que temos não são nítidas. Toda a nossa equipe está empenhada nisso”, disse o delegado à reportagem.

Entenda o caso

No último dia 25, a adolescente foi encontra morta, na casa da irmã, no bairro Palmital, seminua e com perfurações na região do pescoço. A perícia afirmou que pode ter ocorrida uma luta corporal, já que havia sangue espalhado pela cozinha e outros cômodos do imóvel. A motivação do crime seria porque Luana não aceitou reatar o relacionamento com o suspeito.

Relacionados