Casal encontrado morto em quarto de resort morreu asfixiado, diz IML

A morte de um casal, encontrado em um quarto do Olímpia Park Resort, no interior de São Paulo, na tarde desse domingo (6), está sendo investigada pela Polícia Civil. Uma das hipóteses é que a mulher, Rubia Alves de Oliveira, de 22 anos, tenha sido vítima de feminicídio. O suspeito, Edson Fernandes Lopes, 24, teria se matado após cometer o crime.

De acordo com o delegado responsável pelo caso, Ricardo Afonso Rodrigues, um botijão de gás estava ao lado dos corpos. “Ou os dois cheiraram o gás e acabaram morrendo pela inalação. Ou ele a matou e, depois, se suicidou. São em cima dessa duas hipóteses que estamos trabalhando”, explicou o delegado, em entrevista à TV TEM.

A polícia confirmou que o casal morreu asfixiado. O delegado informou que o Instituto Médico Legal (IML) de Barretos (SP) concluiu que a causa da morte foi asfixia mecânica causada por inalação de gás.

O corpo do casal foi encontrado ao lado de um botijão de gás freon, usado em sistemas de refrigeração. Uma testemunha contou à polícia que já tinha visto o jovem brincando de inalar o gás.

“Esse gás era próprio do trabalho dele, ele havia feito um curso específico sobre refrigeração e sabia do risco da inalação do gás. Anteriormente ele já havia até inalado o gás na presença de outras pessoas”, afirmou o delegado Ricardo Afonso Rodrigues.

O casal morava em Guarulhos (SP) e estava na cidade prestando serviço terceirizado em uma pista de patinação que funcionava no resort. Testemunhas contaram à polícia que Rubia já vinha tentando terminar o relacionamento, mas Edson não aceitava a decisão dela.

Por meio de nota, o Olímpia Park Resort afirmou que lamenta o ocorrido e que está oferecendo todo apoio aos familiares e acompanhando a apuração do ocorrido.