Atenção: os nove primeiros sintomas de HIV que não se pode ignorar

Os sintomas do HIV são um pouco difíceis de identificar e, por isso, a melhor forma de confirmar a contaminação com o vírus é através da realização de um teste de sangue, feito em um hospital.

A realização desse teste é fundamental e urgente, especialmente se tiver ocorrido algum episódio de risco, como por exemplo, relações sexuais sem preservativo ou partilha de seringas, como refere o médico de clínica geral Arthur Frazão à publicação Tua Saúde.

No entanto, em algumas pessoas, o vírus pode provocar sintomas semelhantes aos da gripe, que surgem cerca de duas semanas depois do contato com o vírus.

Esses sintomas podem incluir:

– Dores de cabeça;

– Febre baixa;

– Cansaço excessivo;

– Ínguas inflamadas;

– Garganta inflamada;

– Dor nas articulações;

– Aftas na boca;

– Suores noturnos;

– Diarreia.

Geralmente, estes sintomas melhoram em até duas semanas e, por isso, acabam por ser falsamente confundidos com uma gripe. No entanto, mesmo que esses sinais tenham desaparecido, isso não significa que o vírus tenha sido eliminado e pode ainda estar ativo.

Assustadoramente, esta fase assintomática pode durar até 10 anos e, durante esse período, o vírus continua a desenvolver-se perigosa e silenciosamente no corpo, afetando o funcionamento do sistema imunológico e acabando por se transformar em AIDS.

Idealmente, o HIV deve ser diagnosticado durante esta fase, antes do desenvolvimento da AIDS, pois o vírus ainda se encontra em baixa concentração no organismo, sendo mais fácil de controlar o seu desenvolvimento com a ingestão de medicação apropriada. Além disso, o diagnóstico precoce também evita que o vírus contamine outros indivíduos, já que a partir desse momento não se deve em caso algum voltar a ter relações sexuais sem preservativo.