Pacote anticrime: Maurício Barbosa defende que ações do tráfico sejam caracterizadas como terrorismo

O secretário de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), Maurício Barbosa, concedeu entrevista ao Informe Baiano, nesta quinta-feira (07/02), durante a cerimônia de posse dos novos e antigos secretários estaduais no auditório da Secretaria da Infraestrutura, no Centro Administrativo da Bahia (CAB). Em pauta, o “pacote anticrime” proposto pelo ministro Sérgio Moro.

Para o delegado da Polícia Federal, é preciso uma análise, “não só pelo lado da polícia”, mas também da sociedade de uma forma geral. Ele demostrou otimismo com o projeto e acredita que “muitas ações ali vão contribuir para tentar tirar um pouco da impunidade reinante nesse país, a exemplo das liberdades condicionais de presos perigosos pertencentes as associações e facções criminosas”.

Cauteloso, defendeu que alguns itens “precisam ser aperfeiçoados e até incluídos nessa proposta”.

“Por exemplo, o tráfico de entorpecentes internacionais, o tráfico de armas, a questão do próprio terrorismo das associações criminosas que estão sendo hoje perpetradas Brasil afora, tem que ser caracterizados como terrorismo com penas severas, até para desestimular as pessoas a praticar esses atos”, opinou.

Barbosa afirmou também que “tudo que venha aperfeiçoar para tentar diminuir a impunidade é muito bem vindo”.

“Vamos dar a nossa contribuição para que seja levado ao Congresso Nacional. Tem muitas outras coisas que precisam ser discutidas”, finalizou o secretário, que é o atual presidente do Conselho Nacional de Secretários de Segurança Pública (Consesp) e do Conselho de Segurança Pública do Nordeste (Consene).

Relacionados