Maioria acredita que o PT é o partido mais corrupto do país e não quer o retorno de Dilma, revela pesquisa

Um levantamento do instituto Paraná Pesquisas divulgado nesta terça-feira (2/8) revela que 64,8% dos brasileiros acreditam que a presidente afastada deveria ser condenada no processo de impeachment, o que inviabilizaria o retorno à Presidência. Outros 31% dizem que a petista deveria ser absolvida, enquanto 4,2% não souberam ou não quiseram opinar sobre o assunto.

Na visão do diretor do instituto, Murilo Hidalgo, essa percepção enfraquece uma eventual tentativa de Dilma Rousseff apelar ao respaldo popular para tentar retomar as rédeas do país. “Se ela espera uma mobilização do povo, não terá essa resposta”, avaliou. A votação que pode determinar o afastamento definitivo de Dilma está marcada para começar no fim de agosto, no Senado. Nesta terça (2), entretanto, o presidente da Casa, Renan Calheiros (PMDB-AL), anunciou que vai tentar antecipar o calendário.
O partido de Dilma também não aparece bem na pesquisa. Para 56,5% dos entrevistados, o PT é a sigla mais corrupta do país. Em um distante segundo lugar, o PMDB foi lembrado com 10,6% das citações, seguido pelo PSDB (8,1%).

Outros partidos somaram 2%; enquanto 3,1% da população acredita que “todas” as agremiações se equivalem no quesito corrupção — para 1,7%, “nenhum” deles é o mais desonesto. Não souberam ou não quiseram responder 17,8%.

Para Hidalgo, trata-se de uma resposta aos escândalos recorrentes envolvendo petistas, sobretudo aqueles em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma são envolvidos. “Eles são a cara do PT, representam o partido e o poder instituído, por isso é natural que a sigla seja a mais mal avaliada.” Para o especialista, pela ausência de uma liderança clara que represente o partido, o PMDB acaba não sendo tão impactado, apesar de uma série de caciques aparecerem nas investigações.

Crise

A sondagem também avaliou como as pessoas percebem a responsabilidade pelas crises política e econômica que o país enfrenta. Os principais culpados, na visão dos entrevistados, foram os governos de Dilma Rousseff e do seu antecessor, Luiz Inácio Lula da Silva.

No aspecto político da crise, o peso cai de forma mais intensa sobre o colo de Lula. Para 26% dos entrevistados, o ex-presidente é o maior responsável pelos problemas nessa esfera da vida pública. Na sequência, aparece a Operação Lava Jato, que desbaratou um esquema de desvios bilionários da Petrobras, com 23,8% das indicações; seguida de perto por Dilma Rousseff (23,4%). Na visão de 8,9%, a crise política de hoje é reflexo da gestão de Fernando Henrique Cardoso. O cenário internacional (4%) e o governo Temer (1,7%) também foram lembrados.

Já no campo econômico, a presidente afastada é, de longe considerada, a maior responsável pelos entraves nacionais, com 35,4% das escolhas. O governo Lula aparece em segundo, com 23,9%, seguido pela Operação Lava Jato (16,8%); pelo governo FHC (7,9%); pelo cenário internacional (4,5%); e pelo governo Temer (2%). Para 2,6%, a culpa é de todos esses fatores.

A pesquisa foi realizada entre os dias 20 e 23 de julho e entrevistou 2.020 pessoas. A abrangência dos dados incluiu as quatro regiões do país, divididas em 24 estados e o Distrito Federal. As entrevistas foram realizadas em 158 municípios, e a margem estimada de erro é de 2%.

Últimas Noticias