Servidor que aplicou multa de R$10 mil em Bolsonaro por pesca em área protegida é exonerado

O servidor do Ibama, José Olímpio Augusto Morelli, que multou o presidente Jair Bolsonaro em R$ 10 mil, em 2012, por pescar em área protegida, foi exonerado. Ele era chefe do Centro de Operações Aéreas do Ibama e subordinado à Diretoria de Proteção Ambiental.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, Morelli foi o único dos nove funcionários do mesmo nível hierárquico dessa diretoria a ser exonerado pelo governo. O trabalhador foi o fiscal que assinou o auto de infração e o relatório do flagrante contra Bolsonaro, que era deputado federal na época. O ex-funcionário do Ibama também fez uma foto do capitão aposentado de sunga em um bote dentro da Estação Ecológica de Tamoios, área protegida que não permite a presença humana, em Angra dos Reis (RJ).

Desde o incidente, Bolsonaro chegou a discursar contra a atitude de Morelli, apresentou um projeto de lei para desarmar todos os fiscais do Ibama e chamou o órgão ambiental de “indústria da multa”. Em dezembro do último ano, a superintendência do Ibama no Rio de Janeiro anulou a multa e o processo voltou ao início. A decisão é investigada pelo Ministério Público Federal (MPF).