Anistia lança campanha para contestar políticas migratórias dos EUA

A Anistia Internacional deu início hoje (29) à campanha Derrube o Muro na qual contesta as políticas migratórias adotadas pelos Estados Unidos. Um site foi criado para reunir informações relacionadas a violação de direitos humanos. A abertura da campanha foi marcada com uma ação de ativistas no Largo da Carioca, no centro do Rio de Janeiro. Usuários que chegavam à estação de metrô Carioca eram convidados a interagir com um muro de papelão.

“Estamos fazendo um chamado à população para que se solidarize. Desde que foi eleito nos Estados Unidos, o presidente Donald Trump ameaça construir um muro na fronteira sul dos Estados Unidos para impedir a passagem de pessoas que escapam de países latino-americanos geralmente devido a alguma crise de segurança pública ou uma crise humanitária. A ameaça contra os migrantes já é realidade pelas políticas que ele vem implementando e que contraria o direito das pessoas de pedir asilo em segurança”, diz Jurema Werneck, diretora executiva da Anistia Internacional no Brasil.

De acordo com ela, estão sendo adotadas práticas que violam tanto a lei norte-americana como a lei internacional. “As pessoas estão sendo impedidas de pedir asilo em liberdade, conforme a legislação. Trump faz o contrário. Tem milhares de pessoas detidas. Crianças, mulheres e famílias inteiras”, lamenta Jurema.

Segundo a Anistia Internacional, qualquer pessoa que chegue no país para reivindicar asilo deve ter permissão para fazê-lo e ter seu caso ouvido pelas autoridades. Entre as violações listadas pela entidade, está a proibição da entrada de pessoas que buscam proteção nos Estados Unidos e a ação de forçar os migrantes a voltarem aos locais perigosos de onde elas fugiram.

“Nós sabemos que as pessoas que saem em busca de asilo, que deixam sua casa, sua família, sua comunidade, só o fazem em extrema necessidade. Então o que elas precisam é de acolhimento e não de ter seus direitos violados”, acrescenta Jurema.

O dia 29 foi escolhido para a ação porque marca também o início do julgamento do geógrafo e ativista de direitos humanos Scott Warren. Ele está sendo processado criminalmente nos Estados Unidos após ter sido flagrado no deserto do estado do Arizona oferecendo água, comida e atendimento médico a migrantes que conseguiram atravessar a fronteira. “Isso também é uma violação grave, pois impede o direito de lutar por justiça”, diz Jurema.

O presidente Donald Trump tem defendido a construção do muro como uma questão de segurança na fronteira do país com o México.

Ultimas Noticias

Cearense acusado de homicídio é preso em abordagem da PM no...

Com um mandado de prisão em aberto pelo crime de homicídio cometido na cidade de Iguatu, no Ceará, Aurismar Crizente de Brito, foi capturado...

Operação termina com morte de acusado de homicídio macabro em Mutuípe

A morte com requintes de crueldade que chocou moradores de Mutuípe teve o principal suspeito localizado na manhã desta sexta-feira (23/08), em uma fazenda...

umantes têm 20 vezes mais chance de desenvolver câncer...

Os fumantes têm 20 vezes mais chances de desenvolver câncer de pulmão. No ano passado, foram estimados 31 mil novos casos da doença sendo...

Operação Killers caça homicidas em Paulo Afonso

Mais uma etapa da Operação Killers foi deflagrada na manhã desta sexta-feira (23/08) e resultou na terceira prisão de homicida em Paulo Afonso. Gutemberg...
Publicidade