É hora dos ‘atletas de verão’ saírem às ruas, mas prática traz riscos

A combinação verão e férias permite trocar o escritório pela liberdade de correr e jogar bola na praia, fazer caminhadas a beira-mar ou se exercitar em parques, mas praticar atividades físicas sem preparo ou sem conhecimento sobre a saúde do coração pode trazer riscos -e, em casos extremos, até levar à morte.

Para começar ou recomeçar uma atividade física é recomendável procurar um médico e fazer uma avaliação, especialmente se o exercício for de alto impacto. A Sociedade Brasileira de Cardiologia divulgou na última semana um alerta sobre os riscos a que os “atletas de verão” estão sujeitos.

Segundo a entidade, cardíaco fulminante é a principal causa de morte durante as atividades físicas. Se o indivíduo tiver mais de 35 anos ou histórico de doença cardíaca na família, os cuidados devem ser redobrados, porque as chances de morte súbita são maiores.

O infarto pode ocorrer em qualquer idade, mas idosos têm chance maior de sobrevivência porque, com o passar da idade, surgem vasos colaterais que irrigam o coração e ajudam a salvar um paciente após parada cardíaca.

“Hoje as pessoas vivem mais, mas também são mais sedentárias, não têm para o exercício e se alimentam mal. A combinação de sedentarismo com falta de e alimentação inadequada resulta em excesso de peso. Aí vêm as promessas milagrosas de final de ano. De uma hora para a outra, a pessoa resolve praticar esporte sem saber como está a pressão, a glicemia e o coração”, afirma o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia, o médico José Francisco Kerr Saraiva.

“Quando você começa a se exercitar, a pressão sobe porque o coração é requisitado para uma demanda maior de sangue. O resultado pode ser a morte”, diz o médico. Foi o que ocorreu com o Bussunda, que morreu na Alemanha, durante a Copa do Mundo de Futebol de 2006, após uma partida de com amigos.

A editora de livros Luciana Pereira dos Santos Cunha, 49, de Petrópolis (RJ), é a típica atleta de verão. Há dois anos, é adepta da corrida e caminhada seis vezes por semana, uma hora e vinte minutos por dia, mas não o ano inteiro.

“No outono e no inverno não faço exercícios porque aqui é muito frio. Volto na primavera, quando o começa a ficar mais quente”, diz Cunha, que recomeçou as atividades físicas há 15 dias.

O empresário Tom Borges, 48, de Santa Rita do Passa Quatro (248 km de SP), também admite que é no verão que se dedica mais aos exercícios.

“Sou o praticante de verão. Com a minha agenda de trabalho complicada, deixo os exercícios de lado. Quando volto, opto por correr na esteira, durante 40 minutos com intensidade alta. Sei que é prejudicial, mas conheço meu corpo”, diz.

Além do coração, o resto do corpo também sofre com o excesso repentino de exercícios sem orientação de um profissional.

“Há uma sobrecarga das articulações, porque o corpo não está acostumado com o exercício realizado. Existe o risco de lesões musculares, por falta de flexibilidade e coordenação motora, e aumentam as chances de lesões de ligamento de joelhos e ombros”, diz Karina Hatano, medica com mestrado em medicina do exercício e do esporte.

Durante o treino, de acordo com os especialistas, é preciso se hidratar e repor os sais. Se a atividade física durar até uma hora, com pequena e média intensidade, basta beber água. Caso seja longa e intensa, é recomendável acrescentar isotônico ou água de coco.

Ao final, é preciso repor energia e a proteína. A quantidade depende da intensidade, de treino, índice de gordura e massa muscular. Um nutricionista pode indicar o cardápio ideal para cada um.

“As pessoas acham que podem correr e fazer musculação de uma hora para a outra. É imprescindível fazer uma avaliuação médica, evitar bebida alcoólica, parar de fumar, dormir bem e adotar hábitos e alimentação saudáveis”, afirma Murilo Alves, personal trainer.

Para ele, o ideal é começar com caminhadas leves três vezes na semana, aumentando progressivamente e intensidade. Se a opção for pela musculação, treinar em dias alternados, com cargas leves e exercícios de adaptação muscular e cardíaca. “A dor não é indício de bons resultados, como muitos pensam, mas que você fez algo errado ou exagerou nas atividades.”

Bom senso é um ótimo parceiro do esporte, de acordo com os especialistas consultados. “Não vou dizer que é preciso consultar um médico toda vez que atravessar a avenida Paulista, mas é importante procurar um médico antes de iniciar até mesmo uma caminhada. O médico do posto de saúde pode avaliar”, explica Saraiva.Cuidados ao praticar atividade física

– Realize um check up cardiológico antes de iniciar o treinamento para a prática esportiva Busque orientação com educador físico ou personal trainer Nunca faça exercício em jejum- Redobre os cuidados se você tiver mais de 35 anos (a partir desta idade, o cardíaco fulminante é a principal causa de mortes durante as atividades físicas) e histórico de doença cardíaca na família- Interrompa a atividade física e procure imediatamente atendimento médico em casos dedores no peito e/ou abdômen – dores fortes e contínuas nas costas palpitação falta de ar ou dificuldade em respirar dificuldade em falar de forma clara formigamento no braço esquerdo- cansaço excessivo náuseas e tonturas acompanhadas de suores frios novos sintomas para uma atividade que já estava acostumado a realizarAlimentação – Adote uma dieta baseada em vitaminas, minerais e nos grandes nutrientes (carboidratos, proteínas e gorduras). Exemplo de cardápio:Pré-treino (de 30 minutos a 1 hora antes da atividade)1 fruta ou 1 copo de suco + iogurte1 fatia de pão e 1 proteína, que pode ser ovo, queijo branco, queijo cottage, atum sem óleo ou peito de peru desfiadoDurante o treino- Hidrate-se e reponha os sais- Para treinos de até 1 hora, de pequena e média intensidade, beba água- Se passar de 1 hora e for intenso, acrescente isotônico ou água de cocoPós-treino- Reponha a energia e a proteína- 1 copo de leite ou iogurte- ovo ou queijo (as quantidades dependem da intensidade, de treino, índice de gordura e massa muscular

Dicas para iniciar atividade física corretamente- Comece com caminhadas leves – Progressivamente, aumente de duração e intensidade- Dê intervalo de 24 horas nesta primeira etapa- Na academia, treine em dias alternados com cargas leves, e exercícios de adaptação muscular e cardíaca- A dor não é indício de bom resultado, mas que o atleta fez algum exercício errado ou exagerou nas atividades- Durma pelo menos oito horas por dia- Evite consumo excessivo de álcool- Não fumeFontes: Sociedade Brasileira de Cardiologia, Assessoria Personal 360 e Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte

Governo zera imposto de medicamento para atrofia muscular espinhal

O presidente Jair Bolsonaro informou hoje (11), por meio de redes sociais, que medicamento para atrofia muscular espinhal terá a alíquota do Imposto de Importação zerada. Bolsonaro, no...

Vacina contra covid-19 será testada em Salvador e voluntários já podem se inscrever; saiba como

A vacina contra a covid-19 desenvolvida em Oxford, na Inglaterra, será testada em Salvador. O recrutamento de voluntários começa nesta sexta-feira (10/07), no Hospital São Rafael. Para participar...

Uso da ivermectina contra covid-19 não é recomendado, alerta Anvisa

A ivermectina, medicamento que vem sendo distribuído por algumas prefeituras, não teve seu uso recomendado ainda como forma de tratamento e até prevenção à covid-19. O alerta...

Afinal, covid-19 é transmitida pelo ar? O que diz a OMS?

A Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou na quinta-feira (09/07) novas diretrizes sobre a transmissão do novo coronavírus, que reconhecem alguns relatos de transmissão pelo ar do vírus...