Lideranças do Movimento Negro comentam polêmica entre Kannário e PM

Os vereadores de Salvador Silvio Humberto (PSB), Luis Carlos Suíca (PT), Moisés Rocha (PT) e Marta Rodrigues (PT), notadamente referências do Movimento Negro e da luta por comunidades menos favorecidas, comentaram a polêmica entre a Polícia Militar e cantor . O artista baiano fez duras críticas a uma guarnição que agrediu foliões durante a passagem do seu trio independente, na segunda-feira (24/02), no Circuito Osmar (Centro).

Em meio a repercussão do caso, bolsonaristas e até deputados, ameaçaram o parlamentar de e de agressão. O coronel da baiana, Humberto Sturaro, também opinou de forma mais dura e disse que teve vontade de dar dois tapas no músico quando ambos estavam em um restaurante de Salvador. Confira abaixo o que dizem os quatro políticos de esquerda.

Silvio Humberto:

Foi ação ou reação ali? Kannário sabe se defender e a polícia tem seus instrumentos para legalmente resolver. A minha preocupação é na disputa entre o rochedo e o mar, sobrar para a ostra. E a ostra é o povo. Me preocupa aquela juventude que ver ele como referência e que não tem políticas públicas. Isso é um problema sério, precisamos pensar em políticas públicas para essa juventude. Esse mesmo problema já aconteceu com o Apaxe e com o Muzenza, por exemplo. Antes eram as pessoas que eram espremidas pelos blocos. Há uma incapacidade de diálogo com essa juventude. Ali você tem uma pessoa que se importa com essa juventude e tem diálogo com a juventude. Isso precisa ser estudado e precisa, de fato, de políticas. Essa juventude precisa ser mais assistida e tratada com dignidade. Aquela legião é a cara do de Salvador. Tem que ouvir o que Kannário está falando que toca essas pessoas.

Moises Rocha:

Eu sou oriundo do Movimento Negro e de origem periférica. É impossível negar que dentro da corporação se passou a visão que o negro é vilão. A gente sabe disso e faz política para poder mudar essa postura. Agora, ele faz esse discurso só em cima do trio. É demagogia porque violência igual e maior o deputado fez quando votou a favor da reforma da previdência.

Suíca:

Quando a gente, como eu, Moisés Rocha e Igor, por exemplo, chega no parlamento, é uma oportunidade da gente fazer a diferença e mostrar que na periferia tem gente de bem. Quando a gente chega no parlamento, a gente tem que lutar de outra forma. A atitude dele, mesmo sendo de revolta, é desrespeitosa. Não posso concordar com a atitude dele, mas também não posso negar que bala perdida só acontece na periferia. Não posso negar que alguns policiais são truculentos. Não cabia também a incitar a população contra uma corporação que tem pais e mães de família. Não posso concordar com a forma que ele se dirigiu a polícia, chamando de bunda-mole. Ele é contraditório. Ele agrediu a polícia, mas também elogiou. Agora, o governador mandou ficar observando de longe.

Marta Rodrigues:

Qualquer cantor que fazer isso está errado. Imagine o sem a polícia? Quando você coloca uma pipoca grande para dar vaias, isso é feio. Eu lembro que Kannário teve uma declaração infeliz em relação a Câmara e agora com a polícia. As palavras foram de baixa calão. Poderia fazer outra crítica, mas não naquele tom. Poderia fazer, como faz outros cantores, pois ali gerou outra violência. Mahatma Gandhi já nos ensinou isso.

Camaçari: Elinaldo lança campanha para atrair empresas e investimentos

A Prefeitura de Camaçari lançou, neste sábado (8), uma campanha nacional para atrair empresas e investimentos para o município com o objetivo de impulsionar a retomada da...

Conheça dois sucos que reduzem a azia e combatem a inflamação

O refluxo estomacal é um dos problemas digestivos mais comuns e provoca sintomas incômodos que vão desde a sensação de ardor na parte superior do esôfago até...