Escola de Lauro de Freitas abre as portas para discutir genocídio e feminicídio no Novembro Negro

Com punhos cerrados e vozes coesas, jovens de Lauro de Freitas se ergueram para homenagear Maria Felipa, Zeferina e Dandara.

Continue