“Bahia não acompanha redução de mortes violentas do país”, diz Targino ao comentar reportagem do IB

O deputado estadual Targino Machado (Democratas), líder da oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA), classificou nesta segunda-feira (2) a situação da segurança pública no estado como “grave e muito preocupante”. O posicionamento do parlamentar ocorre após mais um final de semana violento em Salvador e região metropolitana, com 18 mortes registradas, conforme noticiado pelo Informe Baiano. Para ele, o caso não foi isolado e reflete a onda de violência que continua tomando conta do estado.

Targino afirma que a Bahia não acompanhou a redução do número de mortes violentas registrada no Brasil em 2019 e manteve, com larga vantagem, a liderança do ranking de homicídios no país. De acordo com o Monitor da Violência, levantamento feito pelo portal G1 com base em dados oficiais dos 26 estados e do Distrito Federal, a Bahia fechou 2019 com 5.099 mortes violentas, o maior número entre os estados, superando inclusive o Rio de Janeiro, que segue enfrentando uma crise na área da segurança pública e contabilizou 4.154 casos.

Em todo o Brasil, o levantamento aponta que foram registradas 41.635 mortes violentas no ano passado, contra 51.558 em 2018. Isso representa uma redução de 19,2% no números de óbitos. Na Bahia, a queda foi de 9,2% – saindo de 5.620 em 2018 para 5.620 em 2019. O estado ficou atrás até mesmo do Rio de Janeiro, que teve diminuição de 19,8%. Entre os estados nordestinos, a Bahia tem a segunda redução mais baixa, à frente apenas do Piauí, cuja diminuição das mortes foi de 6,5%.

“Tivemos mais um final de semana violento, com 18 vidas baianas perdidas. A situação se espalha pelas grandes e pequenas cidades, até mesmo na zona rural. Neste início de ano, tivemos diversos casos de roubo de gado em fazendas do Recôncavo. A Bahia segue tomada por uma onda de violência, uma situação grave e muito preocupante, sem que medidas efetivas sejam tomadas pelo governo”, critica Targino.

Entre os estados, o Ceará teve a maior redução, superior a 50%. No Nordeste, Rio Grande do Norte e Paraíba tiveram altos percentuais de queda (28,6% e 22,1%).

Para Targino, a Bahia continua com altos índices de violência por falta de uma política ampla, que envolva serviços públicos de qualidade, especialmente educação, e maiores possibilidades de geração de emprego e renda. “A Bahia continua com o pior ensino médio do país e no topo do ranking de desemprego, o que acaba refletindo nos índices de criminalidade. O mais grave é a falta de políticas sérias para reverter este quadro”, frisa.

Violência em Salvador e RMS: 18 mortes registradas no final de semana; confira as localidades

Mulheres que atacaram 9 supermercados em Remanso são presas

Investigadores da Delegacia Territorial (DT/Remanso) prenderam, na sexta-feira (14), duas mulheres suspeitas de furtos em, pelo menos, nove estabelecimentos comerciais da cidade. Uma delas foi flagrada dentro...

Estudo investiga como começa e evolui o câncer de esôfago

Estudo inédito internacional sobre alterações epigenéticas de pacientes com câncer de esôfago constatou que os pacientes analisados, originários de diferentes regiões do mundo com alta incidência desse...

Cristo recebe iluminação para incentiva a vacinação contra a covid-19

O monumento do Cristo Redentor no Rio de Janeiro recebe, neste sábado (15), iluminação especial promovida pelo Movimento Unidos Pela Vacina. A ação, que acontecerá entre...

Homem matou vítimas a facadas e incendiou corpos

Suspeito de praticar dois homicídios, sendo um deles nesta última segunda-feira (10), foi preso na manhã desta sexta-feira (14), por policiais da Delegacia Territorial de Paulo Afonso,...