Bolsonaro é bem intencionado, mas Moro tem desapreço a hierarquia; por Plácido Faria

O Presidente eleito, Jair Bolsonaro, transformou o Ministério da Justiça num “superministério”, juntando ao mesmo a pasta de Segurança pública, Transparência, Controladoria e ainda o COAF (Conselho de controle de Atividades Financeiras). A sua intenção é promover meios para que os órgãos em sintonia, combatam o crime organizado e a corrupção, depois escolheu como Ministro o Juiz Sergio Moro, não poderia fazer escolha mais desacertada. O referido magistrado demonstrou na condução da operação lava jato total desapego às leis, queria a todo custo, como fez, combater a corrupção ao seu modo.

Neste caso, a criatura pode se voltar contra o criador.

- publicidade -

Ademais, não existe nenhuma correlação cultural entre o cargo de Juiz Federal e as atribuições do “superministério”. Com efeito, ninguém pode por em questão a boa intenção do futuro presidente, porquanto, ele pode sofrer consequências nefastas pela atuação do indomável Juiz, notadamente pelo desapreço que demonstra à hierarquia e à Constituição Federal. Não se deve esquecer de que ele na sua atuação, de um simples Juiz de primeira instância, arrostou o Supremo Tribunal Federal. Alguns ministros, a exemplo de Marco Aurélio, espernearam, mas de nada adiantou. Praticou vários atos arbitrários e ilegais, nunca foi punido com uma simples advertência.

Outro aspecto a considerar é que o referido “superministério” deveria ser ocupado por um cidadão da “cozinha” do Presidente da República. E em caso de futura divergência, o Chefe maior da nação teria autonomia para demiti-lo ou remanejá-lo. Pergunta-se : Caso Moro desagrade na sua atuação, como demiti-lo?

Assim indubitavelmente, Bolsonaro, deu poder demais a quem sem poder, já ultrapassava os que que tinha, por força constitucional, transformando-se num Juiz midiático. Errou, Errou feio!, o bem intencionado futuro presidente.

Vale informar para os desavisados, que o juiz Moro, para ocupar a referida pasta, terá que pedir demissão do cargo de Juiz Federal, um dos mais importantes da República, porque é vitalício, tem boa remuneração e autonomia total para o seu exercício dentro das normas. O mais importante, não tem chefe, deve obediência tão somente à Constituição Federal e às Leis.

Outro fato grave, municiou a oposição, que já está criticando a escolha, afirmando que o aludido Juiz, na Lava Jato, atuou como um militante político, isso reforça a tese de que Moro ajudou a eleger Bolsonaro, notadamente pela divulgação da delação do ex ministro Antônio Palocci no auge da campanha eleitoral.

Em 2016, Moro disse que jamais entraria para a política “Sou um homem de justiça e sem qualquer demérito, não sou um homem de política”, em entrevista ao jornal “O estado de São Paulo”. Entretanto, na primeira oportunidade, abraça a oferta de cargo político.
Segundo o Senador Magno Malta, o Presidente Jair Bolsonaro, ora uma vez por dia, sendo assim, poderá ter proteção divina.

Plácido Faria
Advogado e comentarista político
placidofaria@yahoo.com.br

Ultimas Noticias

Livre-comércio: países do Mercosul negociam acordo para automóveis

Os países do Mercosul trabalham para chegar a um entendimento para o livre-comércio de automóveis dentro do bloco antes que as taxas para a...

Bolsonaro afirma que não vai propor fim da multa de 40%...

O presidente Jair Bolsonaro disse hoje (20) que não vai propor o fim da multa de 40% sobre o salto do Fundo de Garantia...

Secretário do governo diz que Hezbollah atua na América do Sul

O secretário-geral dos Negócios Estrangeiros do Brasil disse esta sexta-feira (19) que o Hezbollah tem atividade terrorista na América do Sul e destacou que...

Equipe da Sempre visita imóvel incendiado em Cosme de Farias e...

Ao tomar conhecimento do incêndio que atingiu um imóvel de dois pavimentos no bairro de Cosme de Farias, a secretária de Promoção Social e...
Publicidade