Após quase 5h de depoimento, Lula discursa para apoiadores em Curitiba

Em seu primeiro discurso após prestar depoimento ao juiz federal Sérgio Moro, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva falou em Justiça, perseguição e na necessidade de provar sua inocência, o que, segundo ele, ficará claro após as mais de 70 pessoas arroladas no processo serem ouvidas por Moro. Lula também agradeceu o apoio das mais de 20 mil pessoas que, segundo a coordenação do movimento pró-Lula, participaram dos atos em apoio ao ex-presidente, em Curitiba (PR), ao longo desta quarta-feira (10/5).

“Eu jamais pude imaginar que um ônibus pudesse sair do Acre, Bahia, Rio Grande do Norte, de quase todo o país, para um ato de solidariedade ao Lula, para prestar apoio a alguém que está sendo massacrado. Não tenho palavras para agradecer”, disse Lula, no início de seu discurso, por volta das 19h55. Era ouvido, no local, por 5 mil pessoas, segundo a Polícia Militar do Paraná. “Eu não seria digno de vocês se eu tivesse alguma culpa e estivesse falando com vocês aqui agora”, destacou.

O ex-presidente afirmou que comparecerá a quantas audiências e prestará quantos depoimentos forem necessários para provar sua inocência. “Se eu cometi algum erro, antes de ser julgado pela Justiça, quero ser julgado pelo povo brasileiro. Se um dia eu tiver que mentir para vocês, eu prefiro que um ônibus me atropele em qualquer rua desse país”, afirmou, com a voz embargada.

O ex-presidente saiu direto do prédio da Justiça Federal em Curitiba, onde prestou depoimento por quase 5h ao juiz federal Sérgio Moro, para a Praça Santos Andrade, no centro da capital paranaense. Ali, era aguardado por centenas de apoiadores. Desde as primeiras horas da manhã, o palco montado diante da Universidade Federal do Paraná recebeu apresentações culturais e discursos de políticos e lideranças de entidades sindicais e movimentos sociais.

Democracia e eleições

Antes de Lula, a presidente cassada Dilma Roussef, que chegou praticamente junto com o ex-presidente ao local, falou à multidão. Ela chamou a mobilização em Curitiba de ato em defesa da Democracia. “O país não vai continuar por esse caminho de golpe atrás de golpe. O primeiro com meu impeachment, o segundo com o teto de gastos para educação e saúde, agora conspiram para a mudança mais grave nas leis de proteção ao trabalho que o Brasil já viu”, disse Dilma.

Lula responde como réu em cinco processos decorrentes da Operação Lava Jato. Terminou sua fala aos apoiadores com uma promessa: de voltar à Presidência da República. “Eu nunca tive tanta vontade de fazer mais e melhor do que agora. Se a elite brasileira não tem competência para consertar esse país, um metalúrgico vai provar que é possível consertar esse país”, destacou. “Eu estou mais vivo do que nunca, e com mais vontade do que nunca de me preparar e voltar a presidir o Brasil”, anunciou.

Apesar do grande número de manifestantes favoráveis ao ex-presidente, e de apoiadores da Lava Jato também terem se protestado ao longo do dia, em pontos como o Centro Cívico de Curitiba, as autoridades paranaenses não registraram ocorrências relacionadas às manifestações.