Criminoso envolvido na morte de investigador tinha duas passagens pela polícia

Eliomar Cunha Dias, 22 anos, socorrido por PMs da Operação Gemeos para o Hospital do Subúrbio, não resistiu aos ferimentos.

Eliomar Cunha Dias, 22 anos, criminoso envolvido na morte do investigador Pedro Rodrigues do Carmo Filho, na tarde deste sábado (4), possuía passagens por tráfico de drogas e violência doméstica. Ele foi atingido pelo policial civil durante confronto, posteriormente socorrido para o Hospital do Subúrbio pela Operação Gemeos, mas não resistiu.

Os militares faziam rondas na região de Águas Claras quando encontraram o criminoso dentro de um matagal, com um ferimento  ocasionado por arma de fogo.

Equipes da Força-Tarefa que investiga morte de policiais, dos departamentos de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), de Combate a Crimes Contra o Patrimônio (DCCP) da  Polícia Civil, e da Operação Gemeos, do Batalhão de Choque, e do Grupamento Aéreo da Polícia Militar (Graer) fazem diligências em busca dos comparsas de Eliomar, que participaram da ação contra o investigador.

“Daremos todo apoio à família e as polícias estão mobilizadas para encontrar os envolvidos. Infelizmente estamos diante de mais um caso envolvendo criminoso que já foi preso, ganhou a liberdade e retornou a praticar atos ilícitos. Precisamos de uma reforma urgente no Código Penal”, afirmou o secretário da Segurança Pública, Maurício Teles Barbosa.