Kátia Oliveira propõe criação de Casa Abrigo para mulheres vítimas de violência em Simões Filho

A deputada estadual Kátia Oliveira (MDB) propôs ao governador Rui Costa (PT) a criação de uma Casa Abrigo para acolher mulheres ameaçadas ou vítimas de violência doméstica. Pela proposta, a iniciativa deve ser implantada em Simões Filho e ter capacidade para receber pelo menos 50 mulheres. A ideia da parlamentar é que a Casa Abrigo se torne uma política pública e seja ampliada para todo o estado.

A deputada conta que Casa Abrigo é um lar temporário destinado às mulheres em situação de vulnerabilidade social, que se encontrem sob ameaça e que necessitem de proteção. “Dentre os seus objetivos, as Casas Abrigo também devem prestar atendimento psicológico e jurídico às mulheres e encaminhá-las para programas de geração de renda, além de fornecer acompanhamento pedagógico às crianças, uma vez que não poderão frequentar uma escola convencional enquanto estiverem ali”, pontua.

Ao justificar a indicação, a Kátia Oliveira citou o Atlas da Violência – estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. A pesquisa apontou que os assassinatos de mulheres cresceram 5,4% em 2017, valor acima da média nacional no período.

“As mortes ocorreram dentro de casa em 28,5% dos casos, o que o IPEA atribui a possíveis casos de feminicídio e violência doméstica. Ademais, entre 2007 a 2017, a taxa de homicídios de mulheres por arma de fogo dentro de casa ampliou-se em 29,8%”, ressalta.

A parlamentar afirma, ainda, que a edição anterior desta pesquisa trouxe dados alarmantes em relação à violência letal contra as mulheres na Bahia, que cresceu 81,5% entre os anos de 2006 a 2016. Em 2016, segundo o Atlas da Violência, o estado ficou em segundo lugar em número de mortes violentas de pessoas do sexo feminino, com o total de 441 assassinatos de mulheres.

“Esses dados comprovam que o recrudescimento do sistema de justiça criminal, visto de forma isolada, não se mostrou suficiente para frear o aumento dos casos de violência contra a mulher, sendo fundamental que o Estado tenha atuação mais eficaz na prevenção e repressão desses delitos”, diz.

Simões Filho

Segundo Kátia Oliveira, o município de Simões Filho tem se engajado, nos últimos anos, em inúmeras iniciativas que visam reduzir a violência contra a mulher. Uma das principais foi a construção do Centro de Referência em Atendimento à Mulher (CRAM – Professora Nilda Fiúza), entregue pela prefeitura em março de 2019. O projeto foi de iniciativa de Kátia Oliveira no período em que foi vereadora da cidade.

Ela lembra que a construção de uma Casa Abrigo foi uma demanda levada pela população da região metropolitana durante audiência pública realizada em Simões Filho, no mês de abril, para debater a violência contra a mulher.

Ultimas Noticias

Analista prevê ‘invasão’ de iPhones em 2020

Ming-Chi Kuo, analista conhecido pelas suas previsões relacionadas com a Apple, acredita que a Apple poderá lançar quatro modelos do iPhone 12 em 2020....

No Marissol, Bruno Reis comemora obras: “Temos feito muitos gols na...

"Aqui é o típico caso do filho que o pai não assumia a paternidade", disse o vice-prefeito e secretário de Obras, Bruno Reis, neste...

Eddie Murphy diz que mulheres acham sexy o facto de ter...

Eddie Murphy faz parte da lista dos atores de Hollywood que tem mais filhos. Ao todo são 10, algo que nunca passa despercebido quando...

Livro de Geisy Arruda traz nudes e revela história picantes

A modelo e agora também escritora, Geisy Arruda, lançou na noite da última quinta-feira (05/12), seu livro digital 'O Prazer da Vingança' em...
Publicidade