Nove facções atuam na Bahia e cinco cidades estão entre as 20 mais violentas do Brasil

Estudo divulgado neste final de semana pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA) mostra que a Bahia aparece no Atlas da Violência com 5 municípios entre os 20 mais violentos do Brasil. As regiões Metropolitana de Salvador e Sul são as mais afetadas com as cidades de Simões Filho, Porto Seguro, Lauro de Freitas, Camaçari e Eunápolis.

O deputado federal Elmar Nascimento lamentou os dados alarmantes e apontou ainda que a região Oeste, apesar de não figurar no levantamento, “foi transformado num Velho Oeste, uma terra sem lei, onde os bandidos trocam tiros à luz do dia”.

“É muito triste constatar que não existe reação alguma por parte do governador Rui Costa para conter a expansão da violência e do tráfico em nosso estado”, constata o deputado.

Segundo o estudo divulgado, várias pequenas facções criminosas disputam o comércio de drogas nos territórios baianos e, em particular na capital: Bonde do Maluco (BDM), Comando da Paz (CP), Katiara e Caveira. As duas maiores facções do país, o Primeiro Comando da Capital (PCC) e o Comando Vermelho (CV) também estão presentes no território baiano e procuram se associar com as quadrilhas locais a partir do fornecimento de armas e drogas. Além das organizações criminosas citadas no estudo, há ainda na Bahia pelo menos mais três facções: Ordem e Progresso (OP), Ajeita e Comando da Lajinha (CL). Elas atuam, respectivamente, nos bairros da Liberdade, São Caetano e Engomadeira, ambos em Salvador.

“Na avaliação do IPEA, o estado da Bahia alimenta o ciclo da violência ao optar pelo uso de suas forças policiais, em lugar de utilizar a inteligência e investigação, o que tem ajudado a alimentar o ciclo de violência”, explica Nascimento, lembrando que inexistem na Bahia os três pilares que o IPEA considera fundamentais para conter a violência: falta planejamento de ações interssetoriais, voltadas para a prevenção social e para o desenvolvimento infanto-juvenil, em famílias de situação de vulnerabilidade; falta a qualificação do trabalho policial, com mais inteligência e investigação efetiva. E, por fim, falta na Bahia o reordenamento da política criminal e o saneamento do sistema de execução penal, de modo a garantir o controle dos cárceres pelo Estado.

Morre atriz Eva Wilma

A atriz Eva Wilma, 87 anos,  morreu neste sábado (15/05). Ela estava internada no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, e tratava um câncer de ovário. A artista...

Mulheres que atacaram 9 supermercados em Remanso são presas

Investigadores da Delegacia Territorial (DT/Remanso) prenderam, na sexta-feira (14), duas mulheres suspeitas de furtos em, pelo menos, nove estabelecimentos comerciais da cidade. Uma delas foi flagrada dentro...

Estudo investiga como começa e evolui o câncer de esôfago

Estudo inédito internacional sobre alterações epigenéticas de pacientes com câncer de esôfago constatou que os pacientes analisados, originários de diferentes regiões do mundo com alta incidência desse...

Cristo recebe iluminação para incentiva a vacinação contra a covid-19

O monumento do Cristo Redentor no Rio de Janeiro recebe, neste sábado (15), iluminação especial promovida pelo Movimento Unidos Pela Vacina. A ação, que acontecerá entre...