DJ é espancado após revidar ofensas homofóbicas em Salvador

O jovem DJ Herbert Yizhak Almeida Brandão foi espancado na última segunda-feira (06/07), em Salvador. De acordo com a Secretaria de Justiça, Direitos Humanos e Desenvolvimento Social da Bahia (SJDHDS)trata-se de “mais um caso de violência por motivação homofóbica em Salvador”. O jovem sofreu escoriações por todo o corpo.

“A secretaria repudia toda e qualquer prática de discriminação e violação de direitos, sobretudo por motivação de ódio contra qualquer identidade. A SJDHDS prestará auxílio à vítima e vai acompanhar, junto às autoridades competentes, a investigação do crime. No último mês de junho, a decisão do Supremo Tribunal Federal, que considera homofobia e transfobia como crime, completou um ano. Os ministros do Supremo determinaram que a conduta passe a ser punida pela Lei de Racismo (7716/89), que hoje prevê crimes de discriminação ou preconceito”, disse a Pasta em nota.

Por meio do Instagram, DJ Herbert relatou que foi “ao mercado quando mais uma vez ouvi piadas homofóbicas de um homem que sempre me persegue nas ruas com indiretas e piadinhas desse tipo e, como tudo na vida cansa, dessa vez resolvi revidar a altura respondendo as ofensas”.

Ainda conforme a vítima, “ao entrar no mercado, fui ameaçado por esse indivíduo e ao sair do mercado fui surpreendido com golpes de socos e pauladas sem qualquer motivo. Sim, foi uma agressão gratuita, pelos simples fato de eu ser quem eu sou: uma gay afeminada!”.

Em outra postagem, DJ Herbert postou uma foto em uma delegacia e agradece “todo apoio e as mensagens de carinho que estou recebendo”.

“Já estou me sentindo melhor e sigo me recuperando ao lado dos meus amigos. Já registrei o boletim de ocorrência e espero que a justiça seja feita. Obrigado ao advogado @leonardopinheiro_04 e a @govba que me acompanhou durante esse processo, vocês foram incríveis. Sigo resistindo!”, concluiu a vítima.

View this post on Instagram

Queria compartilhar com vocês a covardia que aconteceu na noite de ontem (6). Estava indo ao mercado quando mais uma vez ouvi piadas homofobicas de um homem que sempre me persegue nas ruas com inderetas e piadinhas desse tipo e, como tudo na vida cansa, dessa vez resolvi revidar a altura respondendo as ofensas. Ao entrar no mercado, fui ameaçado por esse indivíduo e ao sair do mercado fui surpreendido com golpes de socos e pauladas sem qualquer motivo. Sim, foi uma agressão gratuita, pelos simples fato de eu ser quem eu sou: uma gay afeminada! Queria dizer que homofobia é crime e isso não vai ficar impune, já estou tomando as providências cabíveis e registrando um boletim ocorrência. Queria agradecer as mensagens de apoio que estou recebendo e a solidariedade de todos. O que me deixa mais triste é saber que ainda a gente é estatística, é saber que um país desenvolvido como esse as pessoas ainda se incomodam com sua sexualidade, é saber que transexuais e travestis tem a média de vida de 35 anos enquanto nos sites pornôs são as mais pesquisadas pelos ‘pais de famílias’ e ‘homens de bem’. É muita intolerância, hipocrisia em meio a tanta falta de amor.

A post shared by Herbert Almeida  (@dj.herbertalmeida) on