Comunidades de terreiro de Paripe recebem três mil máscaras para proteção contra o coronavírus

: Camila Souza

Comunidades de candomblé da região de Paripe, no subúrbio ferroviário de Salvador, recebeu três mil máscaras de proteção, em ação realizada na Associação Comunitária S.O.S Paripe contra o coronavírus. A ação promovida pela , Emprego, Renda e Esporte do Estado (Setre) conta com a parceria da Federação das Associações de Bairros de Salvador (Fabs) e do grupo religioso Ogans, Xicarangomas e Rontós – Filhos dos Orixás, que produziu os artefatos. As máscaras são resultado do projeto ‘Trabalhando em Rede no ao Coronavírus’, que prevê a produção de 2 milhões de máscaras, em quatro polos distribuídos no território baiano.

A assessora especial da Setre, Lívia Borges, informa que as três mil máscaras distribuídas em Paripe estão contemplando 30 terreiros. “Essas máscaras são o resultado de uma parceria entre a Setre e o Ministério Público do Trabalho, que estão investindo R$ 3,6 milhões proveniente do Fundo da Promoção do Tabalho Decente. Um milhão de máscaras já foram distribuídas, beneficiando 190 municípios. Além de prevenir contra o coronavírus, a ação também gera renda para cerca de 600 mulheres, que são chefes de família e criam seus filhos sozinhas, e que com a pandemia ficaram sem ”.

A ebomi Carolina de Oxumarê, do Ile Axé Arimasun, fala sobre a contribuição que as máscaras representam. “Essas máscaras são importantes para podermos nos prevenir e também como um cuidado com as outras pessoas. Nós vamos distribuir as máscaras para 40 membros do nosso grupo, pais de santo, filhos e filhas. Se não recebêssemos, teríamos que ter essa despesa a mais, nesse momento tão difícil, em que muitos de nós não estão trabalhando”.

A coordenadora da Fabs, Aline Lima, fala sobre a importância da distribuição de máscara para as associações de bairro de Salvador. “Cerca de 70 associações já foram beneficiadas e queremos chegar a 200 associações ou lideranças comunitárias. Ação específica de hoje é com os fFilhos de Orixás, uma associação de ogans aqui da comunidade de Paripe. A ideia é atender essa comunidade do axé, que vive essa realidade mais dura”. Renivaldo dos Anjos é representante do grupo de ogans Xicarangomas e Rontós, que produziu as máscaras distribuídas em Paripe. “Além de ser um importante para proteger o povo de axé Contra esse vírus, a gente está gerando renda para cerca de três mil pessoas”.

Maiô de maconha: Aline Riscado surge sensual na Bahia e internautas polemizam

A modelo, bailarina e digital influencer Aline Riscado causou polêmica nas redes sociais, na quarta-feira (05/08). Em uma foto publicada em seu perfil no Instagram, a gata...

“Barrigada” de Leo Dias? Ivete exibe no perfil do Instagram foto com maridão

Em seu perfil no Instagram, a cantora baiana Ivete Sangalo exibe uma foto com o maridão, o nutricionista Daniel Cady. O registro pode ser uma resposta ao...

Briga de “bolsominion”: Wanderlei Silva detona Netinho e diz que cantor é uma “vergonha”

O 'Cachorro Louco’ Wanderlei Silva detonou o cantor Netinho no Instagram, na quinta-feira (30/07), após a divulgação de uma entrevista (no final da reportagem) do artista bolsonarista...

Borracharia realiza primeira Festa Live para animar a sexta-feira

Cedendo ao pedido constante do público frequentador e fãs da famosa Borracha, como é conhecida, acontece nesta sexta-feira, dia 31, a partir das 23h, a primeira Festa...