Mulheres representam 47% dos feirantes de Salvador

Fotos: Bruno Concha

Todo dia é de feira. Com chuva, sol e mesmo em plena pandemia, centenas de trabalhadores acordam mais cedo diariamente para garantir os melhores hortifrutigranjeiros que povoam a mesa dos consumidores e colocar os produtos para vender nos mercados e espaços a céu aberto organizados pela Prefeitura de Salvador, por meio da Secretaria Municipal de Ordem Pública (Semop). Mas tem uma data que é especialmente celebrada pela categoria: o Dia do Feirante, comemorado nesta terça-feira (25). 

A criação da data se deu em virtude da realização da primeira feira livre do Brasil, no ano de 1914, na cidade de São Paulo. Em Salvador, dos cerca de 800 trabalhadores que atuam nas feiras e mercados da Prefeitura, 47% são mulheres. Elas dão duro para garantir a presença dos itens essenciais na mesa dos soteropolitanos e na delas próprias, muitas vezes em dupla ou tripla jornada, pois também costumam ser mães, donas de casa e fazer bicos.

Garantir a independência financeira, cuidar dos filhos e trabalhar sempre com um sorriso no rosto (para atrair a clientela) são os motivadores de Luzineide Silva, 46 anos, que ganha a vida na feira há 30. “Ser independente é essencial para ser feirante. O importante é se sentir bem, gostar do que faz e oferecer sempre o melhor aos nossos clientes”, afirma ela, que atualmente trabalha no Centro de Abastecimento Itapuã (Nacs), recentemente reformado pela Semop.

Essa disposição é compartilhada por Rosalia Santos, 34, que, com dez anos de profissão, é responsável pelo sustento de uma família de quatro pessoas. Além de feirante, Rosalia ainda faz faxina para fazer um extra. “É um trabalho que deveria ser mais valorizado pelas pessoas, e essa divisão, com o crescimento das mulheres ocupando cada vez mais espaço nas feiras e mercados, só demonstra nossa força”, diz ela, orgulhosa.

Estrutura – Atualmente, Salvador possui 35 feiras livres e 12 mercados municipais, devidamente ordenados pela Prefeitura. Os mercados municipais funcionam de terça-feira a sábado, das 7h às 18h, e aos domingos, de 6h às 13h. Já as feiras abrem de terça a sábado, das 6h às 17h, e aos domingos, de 6h às 13h.

“Desde 2013, Salvador vem fazendo uma gestão com atenção às necessidades dos feirantes, desenvolvendo projetos para a requalificação das feiras e mercados municipais. Em 2015, a Prefeitura inaugurou o primeiro mercado municipal, no bairro de Periperi. Hoje, mesmo com a adversidade da pandemia, e reconhecemos que não tem sido um momento fácil, o pensamento segue no sentido de fortalecer o setor, através de diálogos com esses trabalhadores informais e com ações que envolvem a entrega de equipamentos padronizados, cestas básicas e benefícios, a exemplo do Salvador por Todos”, lembra o titular da Semop, Marcus Passos.

“Neste Dia do Feirante, parabenizamos esses trabalhadores, em especial as mulheres. Esse é um dia que envolve toda a gestão, pois não fazemos nada sozinhos. Quero aqui deixar registrado o meu agradecimento a todos “, acrescenta o secretário.

Ministério da Saúde receberá 8,2 milhões de doses de vacina até sexta

O Ministério da Saúde receberá até sexta-feira (14) 8,2 milhões de doses de vacinas contra a covid-19. Segundo o secretário executivo do ministério, Rodrigo Cruz, a pasta...

Os dois signos mais intensos no amor e nas relações

Eles amam como ninguém e sem medo. Tal como na astrologia ocidental, na cultura cigana a data de nascimento também pode revelar alguns traços de personalidade dos indivíduos. Os...

Polícia encerra festa com 1.000 pessoas em Conquista

Cerca de 1.000 pessoas que se aglomeravam, em uma festa clandestina, na localidade de Pedra Branca, zona rural de Vitória da Conquista, foram flagradas por equipes da...

Faturamento da indústria volta a crescer em março, segundo CNI

A atividade industrial voltou a crescer no mês de março, com uma alta de 2,2% no faturamento das indústrias, segundo a pesquisa Indicadores Industriais, divulgada mensalmente pela...