Estátua de Gandhi une cultura da paz entre Salvador e Índia

Foto-Max-Haack-Secom

A Praça da Inglaterra, no bairro do Comércio, ganha mais um elemento que ressalta um aspecto da cultura de Salvador que tem inspiração na Índia, a mais de 15 mil km de distância: a promoção da paz. A estátua conhecida como “Gandhi Andante”, em referência ao líder pacifista indiano Mahatma Gandhi, já pode ser apreciada em meio à Praça da Inglaterra, no Comércio, um dos principais pontos de visitação do Centro Histórico da cidade.

A entrega da obra artística foi realizada em cerimônia simbólica no local, nesta quinta-feira (8). Estiveram presentes na ocasião o prefeito ACM Neto, o embaixador indiano no Brasil Suresh K. Reddy e o titular da Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Secult), Pablo Barrozo, além do presidente do Afoxé Filhos de Gandhy, Gilsonei Oliveira.

Em discurso, o prefeito agradeceu ao governo indiano por presentear a cidade com o monumento, e destacou pontos em comum entre a capital baiana e o país asiático. “Temos aqui o símbolo de uma das figuras mais importantes da humanidade, que foi essencial não apenas para a consolidação da independência da Índia, mas também como referencial dos ideais do movimento pacifista para o mundo inteiro. Salvador tem tudo a ver com a vida de Gandhi e com o que ele edificou na humanidade, pois somos uma cidade pacifista, acolhedora, que gosta de agregar pessoas e que rejeita preconceitos, além de saber valorizar o ser humano e as pessoas”, relatou ACM Neto.

Representatividade – A estátua simula o movimento de caminhada do líder indiano e foi doada para Salvador pelo governo da Índia, via embaixada no Brasil. Existem monumentos do “Gandhi Andante” em várias cidades do mundo, como Nova Iorque, São Francisco, Nova Déli, Washington, Moscou e Budapeste. No Brasil, há exemplares localizados no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Londrina (PR).

Com 1,94 metros de altura e pesando aproximadamente 400 kg, a peça foi esculpida em bronze pelo artista Gautam Pal e simboliza a “Marcha do Sal”, movimento liderado por Gandhi em 1930 contra a proibição da extração de sal na Índia colonial imposta pelos britânicos. Naquela ocasião, o líder e seus seguidores andaram cerca de 388 quilômetros em 25 dias, e a marcha foi duramente reprimida, com muitas pessoas sendo presas, entre elas o próprio Gandhi.

Apenas há três semanas como embaixador no Brasil, Reddy fez questão de pontuar que a primeira visita oficial no país está sendo feita na primeira capital do Brasil e que ficou bastante impressionado com a dinâmica e a diversidade da população local. “Foi o povo de Salvador quem recebeu Mahatma Gandhi e manteve a filosofia dele. Hoje é um dia histórico por darmos um lar a Gandhi aqui”, disse.

Ele ainda ressaltou o interesse em desenvolver cooperações entre a Índia e a cidade baiana em outras áreas, a exemplo da indústria, e agradeceu ao convite do prefeito ACM Neto para acompanhar o Carnaval de Salvador e o desfile do Filhos de Gandhy. Neste caso, Reddy prometeu trazer um grupo indiano para se apresentar na maior festa de rua do planeta.

Primeiros passos – As tratativas para a doação da estátua de Gandhi à capital baiana começaram em 2017 e foram concluídas em 2019, quando teve início a busca pela localização ideal para a implantação do monumento. A sugestão foi a Praça da Inglaterra, onde integrantes de uma comitiva do governo indiano e técnicos da Fundação Mário Leal Ferreira (FMLF) realizaram vistorias.

Um elemento fundamental para a definição de que a praça seria o local escolhido para a instalação da estátua foi a proximidade com a região portuária de Salvador, local que se concentravam os estivadores que viriam a fundar, em 18 de fevereiro de 1949, o Bloco de Carnaval “Filhos de Gandhy. Em 1951, se tornou “Afoxé Filhos de Gandhy”, uma das mais tradicionais manifestações culturais pela paz no Brasil.

“É muito importante esse intercâmbio cultural entre Salvador e a Índia. Sermos presenteados com a estátua de Gandhi é um gesto da união de povos e reciprocidade, já que o Carnaval de Salvador faz uma homenagem a esse ativista, todos os anos, através do Afoxé Filhos de Gandhy”, resumiu o titular da Secult, Pablo Barrozo.

Consenso – A escolha da Praça da Inglaterra, que poderia parecer contraditória diante da dura colonização inglesa sobre a Índia, foi consensual entre representantes da Prefeitura de Salvador e da embaixada indiana. A ideia faz justiça aos ensinamentos e ao legado de Gandhi, marcados pela valorização da paz e da tolerância, bem como à história de Salvador, cheia de exemplos da comunhão das diferenças, simbolizada pelo sincretismo religioso e pelas misturas nas festas populares.

Após a chegada a estátua na cidade, a FMLF desenvolveu ainda o projeto complementar da base sobre a qual a estátua ficou assentada. A localização dá o devido destaque à obra, permitindo uma ampla visibilidade e uma interação privilegiada com o público que transita na região do Comércio: moradores, trabalhadores e turistas, muitos deles vindos de transatlânticos que chegam ao Porto da capital baiana.

O presidente do grupo cultural que leva o nome do pacifista indiano comemorou a instalação da estátua. “Este é mais um ponto turístico não só para os Filhos de Gandhy, como para toda a Bahia”, pontou Gilsonei Oliveira.

Intenção de Consumo das Famílias cresce pela terceira vez consecutiva

A Intenção de Consumo das Famílias (ICF), medida pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), cresceu 0,8% em novembro e alcançou 69,8 pontos...

Autorizado início das obras do Porto Sul, em Ilhéus

O governador Rui Costa esteve em Ilhéus nesta quarta-feira (25), quando visitou o canteiro de obras do Porto Sul. O momento marca o início dos serviços no...