Ocorrência de raiva em animais do extremo sul reforça a necessidade da vacinação dos rebanhos contra a doença

A raiva é provocada por um vírus e é uma zoonose, isto é, doença que pode passar dos animais ao homem, com características agressivas geralmente atribuídas a cães e gatos, enquanto que os animais de grande porte (herbívoros) são atingidos com paralisia dos membros, com rápida evolução para óbito e em quaisquer espécies há comprometimento severo do sistema nervoso central.

O Programa Estadual de Controle da Raiva dos Herbívoros (PECRH) da Agência Estadual de Defesa Agropecuária da Bahia (Adab), vinculada à Secretaria da Agricultura do Estado (Seagri), tem atuado de forma intensiva no extremo sul da Bahia após a confirmação de nove casos positivos para a doença. Oito bovinos e um equíno foram vitimados pela raiva, nos últimos cinco meses, e os casos comunicados ao serviço veterinário oficial da Bahia que coletou as amostras para perícia laboratorial.

A notificação à ADAB é obrigatória e, após a confirmação das ocorrências recentes, a agência tem convocado os produtores de Medeiros Neto e Itanhém a imunizar os animais contra a raiva. “São vários os fatores que atraem a presença de morcegos hamatofágos, como a oferta de abrigos naturais e artificiais, ocupação desordenada que gera desequilíbrio ambiental e principalmente alimentos disponíveis, que são os animais”, explica o médico veterinário Joesley Ramalho. “Itanhém tem o segundo rebanho de bovinos da Bahia e esse fator, por si só, atrai a presença dos vetores da raiva”, complementa.

Vacinação preventiva

A Raiva dos Herbívoros é uma doença endêmica no Brasil, com ocorrência em todo o território nacional, com maior número de casos em locais cujos fatores favoreçam a alimentação dos vetores (Desmodus rotundus) com a consequente disseminação.

“Nesse momento que foram identificados casos é fundamental que os produtores das áreas próximas aos focos realizem a vacinação preventiva em seus rebanhos para conter a doença pois a atividade viral está presente . A raiva é uma das mais importantes doenças de controle oficial, seja pela possibilidade de atingir o homem, seja por provocar grandes prejuízos econômicos a atividade pecuária com a morte de animais”, ressalta o Coordenador do Programa no Estado, Marcelo Sampaio.

A pandemia da Covid-19 tem prejudicado ações de campo através da visitação das equipes da Adab em todas as propriedades do perímetro focal, porém, o acompanhamento dos casos tem sido realizado após a comunicação dos produtores aos escritórios da autarquia. “Em caso suspeito, nós devemos ser avisados imediatamente para que seja coletada amostra dos animais para o estudo epidemiológico e ações de controle da doença”, diz Joesley.

Para evitar riscos de contaminação, o coordenador do PECRH faz um alerta: “Todo material biológico de animais suspeitos da doença só deve ser coletado por profissionais do serviço oficial ou autônomos que estejam devidamente protegidos mediante vacinação preventiva e comprovadamente imunizados por sorologia”, reforça Marcelo Sampaio.

TCA em Casa divulga programação da última semana de outubro

Fechando o mês de outubro, o Teatro Castro Alves (TCA) segue em seu ‘TCA em Casa’. A agenda online mantém as atividades de difusão da arte e...

Museu Geológico da Bahia realiza 22ª edição da Semana da Criança

A 22ª edição da Semana da Criança, evento anual promovido pelo Museu Geológico da Bahia (MGB), que ocorre entre os dias 26 e 28 outubro, terá programação...

Secult lança prêmio para Pontos de Cultura pelo Programa Aldir Blanc Bahia

A Secretaria de Cultura do Estado da Bahia (SecultBA), através da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura (Sudecult) lança, nesta quarta-feira (21), mais um edital do Programa...

“Tomo sempre banho antes e depois de transar”, diz Xuxa

Xuxa Meneghel revelou no livro “Memórias”, lançado em setembro, que ainda sofre com os traumas por causa dos abusos sexuais que sofreu quando era criança. As informações...