Governo Bolsonaro insiste para Butantan entregar Coronavac

Em novo ofício enviado ao Instituto Butantan, o Ministério da Saúde voltou a exigir neste sábado (16) a entrega de todas as 6 milhões de doses disponíveis da Coronavac, vacina chinesa importada pelo governo do estado de São Paulo.

O documento diz que a “responsabilidade pela elaboração, atualização e coordenação do plano nacional de operacionalização da vacinação contra a Covid-19 é do Ministério da Saúde”.

“Logo, não podemos delegar a distribuição das vacinas, sobretudo em razão do estado de excepcionalidade que o país atravessa em razão da pandemia ocasionada pelo novo coronavírus”, afirma o ofício.

Além disso, o Ministério da Saúde alega que o contrato firmado com o Butantan não prevê “distribuição das doses de vacina diretamente” pelo instituto paulista. “Por fim, há a necessidade da imediata entrega das 6 milhões de doses para que o cronograma de distribuição não seja comprometido e não ocorra atraso no início da vacinação da população brasileira”, diz o documento.

O posicionamento do Ministério da Saúde é uma resposta a um ofício no qual o Butantan afirma que entregará as doses requeridas, mas questiona quantas unidades serão mantidas em São Paulo, “como de praxe para as demais vacinas produzidas pelo instituto”.

“Aguardamos a orientação quanto ao início da campanha de vacinação, com confirmação de data e horário definidos, considerando que deverá ocorrer simultaneamente em todos os estados do Brasil. Por fim, ressaltamos que a disponibilização deverá ocorrer tão logo seja concedida a autorização pela agência reguladora”, diz o ofício do Butantan, enviado na última sexta-feira (15).

O instituto ainda não se pronunciou sobre a nova requisição do Ministério da Saúde. A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reunirá neste domingo (17) para decidir sobre a autorização de uso emergencial da Coronavac.

Polêmicas – Desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac e testada no Brasil em parceria com o Butantan, a Coronavac já foi alvo de críticas e ironias por parte do presidente Jair Bolsonaro, que chegou a dizer que não compraria o imunizante.

“NÃO COMPRAREMOS A VACINA DA CHINA”, disse o mandatário no ano passado ao responder um comentário no Facebook, usando letras maiúsculas para dar ênfase à declaração.

Além disso, comemorou a suspensão dos testes da Coronavac por conta do suicídio de um voluntário. “Mais uma que Jair Bolsonaro ganha”, escreveu o presidente nas redes sociais.

A Coronavac tem eficácia de 50,38% nos testes conduzidos no Brasil, o que significa que o imunizante reduz pela metade o risco de se contrair o novo coronavírus.

No dia Internacional da Mulher, Kátia Oliveira destaca conquistas, mas alerta: “Ainda temos muitos desafios”

A deputada estadual Kátia Oliveira (MDB) destacou nesta segunda-feira (8), quando é celebrado o Dia Internacional da Mulher, as conquistas do público feminino nos últimos anos, mas...

Livre-se da caspa em minutos com limão. É fácil…

A tão odiada caspa surge devido a vários fatores, devendo-se sobretudo ao estresse, mas também ao modo incorreto de tratar o cabelo, conforme explica um artigo publicado...

Pré-selecionados do Prouni têm até sexta para comprovar informações

Os estudantes pré-selecionados em lista de espera do processo seletivo do Programa Universidade para Todos (Prouni), edição do 1º semestre de 2021, têm até a sexta-feira (12)...

Aproveite a safra de março e abril para preparar receitas econômicas

Conhecer os alimentos das safras do ano ajuda não só nas economias mensais, como também na organização das refeições em casa. Além desses ingredientes serem encontrados facilmente...