Mistura de emoções marca primeiros vacinados contra Covid-19 em Salvador

Fé, gratidão e esperança de um futuro melhor para todos. Foi assim que a enfermeira intensivista Maria Angélica de Carvalho Sobrinha, de 53 anos, resumiu a experiência de ser a primeira pessoa em Salvador imunizada contra a Covid-19. Ela e mais três pessoas receberam a dose da CoronaVac em cerimônia simbólica que marcou o início da campanha de vacinação contra o novo coronavírus na capital baiana, ocorrida nesta terça-feira (19), no Santuário Santa Dulce dos Pobres, dentro das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), no Largo de Roma. O prefeito Bruno Reis estava presente.

Graduada pela Universidade Federal da Bahia (Ufba) e pós-graduada em Terapia Intensiva, Maria Angélica é solteira e, como servidora estadual, atua no Núcleo Interno de Regulação do Instituto Couto Maia, em Cajazeiras II. Ela faz parte de um dos públicos prioritários neste primeiro momento da estratégia: profissionais de saúde que atuam diretamente no combate à Covid-19. Além deles, também serão imunizadas pessoas acima de 60 anos que residem em instituições de longa permanência para idosos, assim como indígenas, aldeados e comunidades ribeirinhas (quando houver).

“Gente, é difícil explicar, mas é um momento muito singular na vida da gente diante do que nós vivenciamos, um sofrimento mundial diante de tantas perdas de entes queridos. É um momento de glória, porque existiram vários profissionais que se empenharam. Para mim é uma honra estar aqui neste momento, uma gratidão inicialmente a Deus e, abaixo de Deus, todos os profissionais, cientistas, técnicos, enfermeiros, médicos, diretores dos hospitais que se empenharam muito”, declarou.

A enfermeira ainda ressaltou que trabalha com muito orgulho na linha de frente do combate ao novo coronavírus e declara que a vacina traz um alento para toda a população. “Eu acredito que esse sentimento que estou passando agora é o sentimento que está no coração de todos, porque é uma luz no fim do túnel, é uma esperança e, a gente só tem a agradecer, só a agradecer”, repetiu.

Demais imunizados – Assim como Maria Angélica, outras três pessoas pertencentes ao público prioritário, de um total de 21 mil neste primeiro momento, também receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19 na cerimônia. Uma delas é o médico Uenderson Araújo, de 30 anos, há dois deles atuando no Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu).

“Muito feliz em estar representando meus colegas de profissão, que estão atuando diariamente com pacientes com Covid, fazendo transferências, nesse período que já dura quase um ano, um período difícil e duro. É um marco, um divisor de águas no ponto de vista da assistência aos pacientes. Saber que você está um pouco mais protegido faz um diferencial muito grande”, avaliou.

O médico ainda salientou a importância da imunização. “Alguns ainda criticam a questão da imunização e isso é uma visão antiga. A forma prioritária de a gente fazer o que se chama de profilaxia, que é a prevenção por infecção da Covid, é pela vacina”.

Araújo ainda pontuou o maior desafio durante todo o período de combate ao novo coronavírus. “Estar longe da minha família. Não poder ir em casa, porque você quer manter o distanciamento e não quer contaminar os seus pais, é difícil. Além disso, estar vivendo diariamente com pacientes críticos, no sentido de lidar diariamente com vida e com óbito e se dedicar ao máximo ao paciente, querendo ou não você espelha um pouco em um familiar e isso impacta bastante”, relatou.

Outra imunizada foi a dona Lícia Pereira Santos, de 86 anos. Ela, que passou a maior parte da vida na região da Baixa de Quintas, chegou à Osid em 2014 para fazer um tratamento de reabilitação motora. No ano seguinte, começou a viver no Centro Geriátrico da instituição.

“Ai, uma alegria muito grande eu tive por ser contemplada para participar. Eu tava muito contente, alegre mesmo. Acordei cedo, aliás sempre acordo cedo, mas hoje muito leve”, comentou a idosa.

Já a enfermeira Deisiane Tuxá, de 31 anos, não conseguia esconder o orgulho em representar a população de mais de 30 mil indígenas residente na Bahia, distribuídos em 22 povos. Ela mesma atua no Distrito Sanitário Especial de Saúde Indígena na cidade de Rodelas, ao norte do Estado.

“Com muito prazer e alegria estou aqui hoje. Agradeço a oportunidade de estar representando meu povo Tuxá e de toda a população indígena da Bahia. É gratificante estar aqui participando desse momento histórico e é preciso que toda a comunidade acredite na vacina porque, daqui para frente, só temos a avançar”, declarou Deisiane.

Sancionada lei que remaneja recursos para permitir redução de tarifa de energia

O presidente da República, Jair Bolsonaro, sancionou com dois vetos a lei que remaneja recursos no setor elétrico para permitir a redução de tarifas de energia (Lei...

Deputados Samuel e Alex Santana solicitam inclusão de atividades religiosas como serviços essenciais na Bahia

O deputado federal, Alex Santana (PDT), e o deputado estadual, Samuel Júnior (PDT), encaminharam nesta terça-feira (02/03), uma petição ao governador da Bahia, Rui Costa (PT), para...

Porto Seguro integra consórcio para compra de vacinas

A Prefeitura de Porto Seguro está empenhada no amplo enfrentamento à Covid 19, tendo como principal preocupação a preservação da vida e da saúde dos portosegurenses, bem...

Primeiro hotel espacial terá capacidade para 400 pessoas

Os viajantes mais aventureiros à procura de novas experiências ficarão satisfeitos por saber que uma empresa já se encontra a conceber aquele que será o primeiro hotel...