Com fechamento da Ford, como fica seminovo da marca no mercado?

Com o fim das fábricas da Ford no Brasil, fica uma pergunta, e quem tem um modelo que saiu de linha? o que fazer?

O Ford KA que foi o 6º carro mais vendido do Brasil em 2020, com 67.283 unidades comercializadas, o Ford Ka Sedan com 25.960 unidades e o Ford Ecosport com 24.034 unidades, esses três eram produzidos na fábrica da Ford
em Camaçari na Bahia.

Desvalorização do veículo é o primeiro fator que vem à mente, certo? Mas nem sempre isso acontece. O Brasil tem exemplos do efeito contrário no mercado com o anúncio do encerramento de produção. Quando a Toyota Fielder (versão perua do Corolla, fabricada entre 2004 e 2008), teve sua sentença anunciada, houve uma disputa pelas últimas unidades.

Eram tantos clientes nas concessionárias da marca atrás de uma que, na verdade, o preço
do familiar aumentou. As unidades em bom estado de conservação frequentemente custam mais que seus equivalentes na versão sedan.

De acordo com Ari Pinheiro, presidente da Associação dos Revendedores de Veículos da Bahia (ASSOVEBA),”o mais importante para quem tem um seminovo da Ford é ver como o mercado irá se comportar, mas já garanto que não haverá desvalorização prematura dos carros”.

“Continuarão sendo carros de alta procura no setor de seminovos. Com relação as peças, a Ford continuará fabricando peças para reposição e também as concessionárias estarão funcionando normalmente para qualquer necessidade que o cliente venha precisar.”

Ainda segundo Ari, talvez a melhor opção seja não tomar nenhuma decisão imediata, pois “o impacto do carro que sai de linha é imediato na negociação e isso afeta diferentemente pessoas nos dois cenários”.

“Quem quer comprar pode usar a notícia recente como poder de barganha. Isso entrará na negociação com toda certeza”, finaliza Pinheiro.